Barra de vídeo

Loading...

sexta-feira, 22 de junho de 2018

NÃO SE IMPRESSIONE COM O MAL - Maurício de Castro

Os meios de comunicação, a mídia, os grupos de pessoas e até algumas religiões têm pregado o mal como algo inevitável, comum e invencível, assustando as pessoas impressionáveis e pintando o mundo como um lugar de horrores, onde ninguém pode ser feliz e o mal sempre vence. Porém isso não é verdade. 

O mal depende apenas daqueles que acreditam nele e o materializam aqui na Terra. Embora o mal faça muito barulho e impressione, ele nunca foi nem maior, nem mais poderoso que o bem.

Na verdade o mal é uma ilusão e só acontece com as pessoas que acreditam nele por meio de pensamentos, crenças e atitudes. Por isso não dê força ao mal, nem tenha medo dele. Ter medo do mal é acreditar que ele tem poder, é abrir as portas para que ele entre em sua vida. Seja prudente, mas só acredite no bem. 

Quando você ver tragédias, dores e problemas ocorrendo no mundo, em vez de se impressionar, diga firme: "comigo não vai acontecer, eu só acredito no bem". Repita sempre isso. Creia no bem. Viva no bem, então o mal não terá mais nenhum espaço em sua vida.
Maurício de Castro


segunda-feira, 18 de junho de 2018

ONDE ESTÁ SEU FILHO? - Adeilson Salles

Nos últimos dias meu coração ficou aflito ao testemunhar a dor dos pais da adolescente, Vitória Gabrielly.

A pequena cidade de Araçariguama de quase vinte mil habitantes, na micro região de Sorocaba, viveu dias de profunda angústia, até que a menina foi encontrada morta depois de oito dias de desaparecida.

O risco está em toda parte e precisamos acreditar nessa triste realidade.

A menina telefonou para a mãe avisando onde iria, mas o perigo estava à espreita porque ele mora dentro do coração dos homens maus.

Me deparo nas palestras e seminários que realizo em escolas ou instituições espíritas, com pais que me perguntam o que fazer com filhos adolescentes que pedem privacidade para acessar redes sociais e outros tipos de mídia.

Percebo claramente a falta de autoridade e ascendência de alguns pais com seus filhos.

Uns são permissivos demais e outros não conseguem dizer não, gerando situações muito delicadas.

Um pai me procurou certo dia me dizendo que a filha exigia dele privacidade.

Porque todas as vezes que ele se aproximava dela a garota de 15 anos minimizava a tela do computador, ou escondia o celular para que ele não visse o que ela fazia.

Revelando impotência diante da situação ele me indagou sobre o que devia fazer para lidar com o impasse.

Disse a ele que a privacidade exigida pela adolescente tem preço, e que certamente não era ela que pagava as contas.

Os pais tem obrigação de saber quais os conteúdos que os filhos acessam, que tipo de redes sociais eles utilizam.

Filhos não quebram e necessitam de PAIS presentes e participativos.

Pais que não se envolvem na vida dos seus filhos terão dificuldade de lidar com esses tempos modernos em que os jovens são aliciados por mídias viciosas, que propagam estereótipos de felicidade inatingíveis para a maioria dos adolescentes.

O caso da pequena Vitória Gabrielly revela, que mesmo em uma cidade pequena e com a proximidade dos pais o perigo estava à espreita.

Onde está seu filho nesse momento?

Ele está conectado com quem?

Quais os grupos que ele participa no WhatsApp?

Você tem comparecido à reunião da escola?


Preste atenção no seu filho, para que amanhã o suicídio não te surpreenda, ou o Lobo Mau não mate os sonhos das nossas crianças e jovens.


COMPARTILHE!


terça-feira, 12 de junho de 2018

O SUICÍDIO NÃO É A SOLUÇÃO - Maurício de Castro pelo espírito Vinicius


O suicídio não é a solução, ao contrário, ele vai levar você a um sofrimento muito mais intenso, muito mais doloroso a ponto de você querer morrer de verdade, mas não será mais possível porque a vida é eterna, você não morre nunca e aonde você for sua dor seguirá junto. 

O suicida acredita que seus problemas não têm mais solução. Está mergulhado tão fundo nos pensamentos negativos que o mundo e os problemas tomam uma dimensão gigantesca e ele pensa que a melhor saída é se matar. Ele quer se livrar da dor, mas isso não será possível. 

Depois da morte, quando o suicida acordar no mundo espiritual vai se ver num lugar terrível, rodeado de espíritos atormentados iguais ou piores que ele, sentindo tudo o que sentia, só que dez vezes mais ampliado. Depois da morte, fora do corpo, sem a influência da matéria os nossos sentimentos assumem proporções enormes e a angústia, o desespero, a tristeza, o desencanto que levaram a pessoa a se matar irão prosseguir dez vezes mais intensos. 

Depois de muitos anos nesse estado, quando são resgatados pelos espíritos de luz, não conseguem ficar bem no mundo espiritual e precisarão reencarnar o mais rápido possível. Primeiro vai renascer num corpo cheio de problemas de saúde, terá vida curta e limitada e mesmo que tenha vida longa o corpo apresentará problemas genéticos irreversíveis. Depois disso voltarão a reencarnar num corpo sadio, mas terá que enfrentar o mesmo problema que o levou a se matar, em idêntica situação, para resistir e ser forte, vencendo-o.

Por isso, por pior que seja um problema, por mais dolorosa que seja uma situação, é muito melhor prosseguir aqui do que tirar a própria vida. Não tenham dúvidas nenhuma quanto a isso.

Seja o que for que você esteja enfrentando, pode ter a certeza de que há uma solução, mesmo que você não enxergue nenhuma. Um dos maiores desesperos do suicida é descobrir que a situação que o estava infelicitando logo iria se resolver, mas sua rebeldia diante dos fatos o fez desistir da vida há poucos momentos em que a solução esperada iria acontecer.


Se você está com pensamentos suicidas, pense em tudo isso que acabou de ler e lembre-se: não existe problema sem solução porque a vida não joga para perder. É você que, iludido pelo imediatismo, não consegue ver, mas com certeza a solução está lá.

P.S: Eu já ia dormir quando o espírito Vinicius me fez voltar, reabrir o notebook e escrever isso.
Maurício de Castro


sexta-feira, 1 de junho de 2018

DIAS DE CAOS - Divaldo Franco



Democracia constitui o mais audacioso e nobre estado de liberdade para a governança de um povo. Acostumadas as criaturas aos regimes arbitrários e violentos, acreditam que o direito da força é capaz de substituir a força do direito, e normalmente derrapam no cerceamento das liberdades de pensar, de agir, de contribuir em favor da coletividade.

De igual maneira os regimes totalitários utilizam-se da fragilidade e ignorância do povo para instalar-se, mediante promessas de suborno das consciências e de falsa igualdade de direitos, estimulando as classes menos favorecidas para a fidelidade, oferecendo-lhes migalhas, enquanto se locupletam no abuso do poder e da indignidade, mantendo a miséria moral, social e econômica.

A comodidade, fruto inevitável do desconhecimento dos direitos à cidadania, acredita-se feliz com os parcos recursos que lhe são fornecidos pelo Estado delinquente, e homenageia os seus ditadores como sendo salvadores dos seus problemas.

É muito mais fácil oferecer-se “pão e circo” às massas do que dignidade aos indivíduos.

A situação lamentável em que se encontra a sociedade brasileira neste momento, resulta, sem dúvida, da negligência dos governantes anteriores que estabeleceram leis injustas e inadequadas para manter-se no poder, pensando somente nos seus e nos interesses dos partidos aos quais pertencem.

Esses administradores infiéis contam com o apoio dos enganados que se fanatizam e somente pensam nas miseráveis compensações que recebem, levando a nação ao caos da desordem e do sofrimento. Nesse clima de instabilidade e desconforto encontram-se os vírus das desoladoras revoluções e desastrosas soluções para pior.

Este é um momento muito grave, talvez dos mais difíceis para a nacionalidade brasileira.

Não é momento para humor, mas para a busca de soluções legais, a fim de que se voltem a instalar a serenidade e o respeito aos códigos que vigem em toda sociedade democrática.

Quando, porém, o desprezo pelas leis e a corrupção se instalam nas altas cortes da administração, que deveriam pautar a sua conduta pelos estatutos da dignidade, o problema faz-se mais grave, exigindo que o povo venha às ruas impor o cumprimento dos deveres por aqueles que devem zelar pela honradez da sociedade.

Não foram outros os motivos que derrubaram a Bastilha em 14 de julho de 1789 e deram início à Revolução Francesa, que também derrapou nos tremendos crimes do denominado período do terror.

O Brasil, que possui tradições cristãs arraigadas e que sempre se caracterizou pelos valores da paz, deve repetir neste momento o gesto corajoso de enfrentar os dislates da corrupção e exigir imediata reforma nacional para restabelecer a paz e o progresso.

Artigo publicado no jornal A Tarde, coluna Opinião, 30.05.2018.

quarta-feira, 23 de maio de 2018

É HORA DE CUIDAR DE VOCÊ - Maurício de Castro


A solidão traz um recado: é hora de cuidar de você!


Há quanto tempo você vem se abandonando e se deixando para trás? 

Há quanto tempo você está vivendo em função dos outros, agarrada a eles, dependente, carente e ansiosa? 

Há quanto tempo você deixou de ser sua melhor amiga para só olhar para os outros? 

Há quanto tempo sua autoestima está lá em baixo e você desencontrou-se de sua própria alma? 

A solidão aparece para que você possa se voltar para si, se conhecer melhor, se dar ao valor, se apreciar, se amar, gostar da própria companhia, ser feliz com você mesma sem precisar dos outros. 

Quanto mais carente você for, mais só irá ficar. Quanto mais se sentir bem consigo mesma, quanto mais se der atenção, quanto mais estiver do seu lado, quanto mais se valorizar e, principalmente, quanto mais se sentir feliz sem a necessidade de ter alguém ao lado, mais ficará bem e emanará energias que farão com que, justamente a pessoa que você mais quer passe a ficar do seu lado. 


Pense nisso. É hora de cuidar de você!


Maurício de Castro


terça-feira, 15 de maio de 2018

O ESPIRITISMO - Ricardo Di Bernardi

O Espiritismo não se considera uma religião organizada dentro de uma estrutura clerical. Neste sentido é profundamente distinto das religiões tradicionais. Não possui sacerdotes ou pessoas investidas de autoridade especial. Não possui templos suntuosos. Não adota cerimônias de qualquer espécie, tais como batismo, crisma, casamentos, etc.

Não tem rituais, velas e nem vestes especiais. Não utiliza qualquer forma de simbologia. Não adota ornamentação para cultos, nem gestos de reverência, nem sinais cabalísticos, nem benzedura, nem talismãs, nem defumadores ou cânticos cerimoniosos (ladainhas, danças ritualísticas). Também não adota bebidas ou oferendas de qualquer espécie.

O culto espírita é feito no próprio coração. É o culto do sentimento puro, do amor ao semelhante e do trabalho constante em favor do próximo. A Doutrina Espírita concebe que somente a prática de boas ações e do pensamento equilibrado nos liga a Deus.

Deus é a essência transcendente que permeia todo o Universo. É a Força, a Inteligência e o Amor, nos quais estão mergulhados o macro e o microcosmo. Das galáxias às partículas subatômicas, tudo é envolvido pela Lei Universal Onipresente. Não há, portanto, uma visão personificada ou antropomórfica de Deus. Deus é a Lei Maior, o Amor Universal, a Sabedoria que coordena todas as leis menores da natureza. 

A Doutrina Espírita foi revelada pelos espíritos superiores, por intermédio de médiuns, e organizada (codificada) por um educador francês, conhecido por Allan Kardec, em 1857. Surgiu, pois, na França, há mais de um século.

Ricardo Di Bernardi
Texto do livro "Dos Faraós à Física Quântica"

sexta-feira, 11 de maio de 2018

VOCÊ ESTÁ "PAGANDO DÍVIDAS"? - Maurício de Castro

Não existe "pagar dívidas de vidas passadas", o que existe é a Lei de Causa e Efeito onde cada um recebe aquilo que deu e colhe o que planta.

Quando você acredita que está pagando dívidas de outra vida você não pode fazer nada a não ser esperar que a dor e o sofrimento passem até ficar "quites" com a Lei Divina. Nessa postura as pessoas se tornam fatalistas, esperando que, a qualquer hora e de repente, surja um grande sofrimento como consequência de uma dívida passada. 

Essa crença é errada e traz medo, conformismo, estagnação, fazendo de Deus um verdadeiro cobrador de promissórias atrasadas, sempre disposto a cobrar quando menos se imagina.

Mas Deus é muito mais que tudo isso e não existe "contabilidade" nas Leis da Vida. O que existe é a necessidade de aprendizagem e harmonização consigo mesmo e com os outros. Não é "fez e tem que pagar", mas sim "fez e precisa aprender a não fazer de novo e se harmonizar". O desenvolvimento da consciência e a aprendizagem do espírito são o que contam. Se a pessoa aprender e evoluir pelo amor, pela inteligência e, principalmente, pela transformação interior não é mais necessário sofrer.

Saber isso é libertador!


É dar a si mesmo o poder que sempre foi seu: o de criar e conduzir o próprio destino. É acabar com os medos e mudar completamente a visão sobre Deus. É descobrir que Deus não cobra, não pune, não exige, apenas adestra de forma que cada um possa aprender a viver melhor.

Vamos entrar nessa vibração? Você pode acabar com seu próprio sofrimento e evitar que outros venham. Está apenas em suas mãos.

Maurício de Castro


segunda-feira, 7 de maio de 2018

CONHEÇA OS DETALHES DE "O MÉDICO JESUS"

Veja o importante depoimento que a médica cardiologista, Andreia Nogueira, deu sobre o Best Seller "O Médico Jesus", do consagrado autor José Carlos De Lucca (que já vendeu mais de 1 milhão de exemplares).


Link para Youtube:



Este livro também está disponível em audiolivro e e-book.

Links para compra:



Livraria Cultura: https://goo.gl/w5YqNW

Hiperlivros: https://goo.gl/eZLu6h




Jesus The Healer - disponível na versão
em inglês para e-book:


Links para compra:


Saiba mais sobre José Carlos De Lucca (clique!)

sexta-feira, 27 de abril de 2018

O PODER DA ORAÇÃO - Maurício de Castro


A oração é o refrigério da alma e a solução para todos os nossos problemas. Seja qual for o problema que estejamos enfrentando, por mais difícil e doloroso que seja, se orarmos a Deus pedindo alívio, compreensão, entendimento e solução, podemos sentir na hora uma sensação de paz que vai nos acalmando, mudando os nossos pensamentos e transformando nossos sentimentos para melhor. 

Quem já experimentou o poder da prece sabe que ela é a mais poderosa ferramenta para se vencer qualquer problema. 

Se você está enfrentando problemas sérios, angústias, preocupações que tiram o sono, doenças que trazem sofrimento, problemas de família, dentre outros, abra seu coração a Deus sem reservas e converse com Ele como se fosse com um amigo. Peça que Ele a ajude, que traga a solução, que alivie sua alma e acabe com a tristeza. 


Faça isso e verá como se sentirá muito bem. E se fizer da oração um hábito, toda sua vida vai se transformar para melhor.
Maurício de Castro


quinta-feira, 26 de abril de 2018

SUICÍDIO JUVENIL - QUEM SÃO OS NOSSOS FILHOS? - Adeilson Salles


Um dos colégios mais tradicionais de São Paulo, Colégio Bandeirantes, tomou medidas emergenciais porque dois alunos se suicidaram com diferença de poucos dias.

É importante louvar a iniciativa da escola que propõe a abordagem do assunto com muita responsabilidade sem empurrar para baixo do tapete essa triste realidade.

A escola é reconhecida como uma das que alcança os melhores índices de aprovação nas mais conceituadas universidades do país e no exterior.

Aparentemente o mundo perfeito, para os que focam e pensam apenas na formação acadêmica.

Recentemente estive em uma escola em que os jovens do 9º Ano revelaram através das perguntas que me faziam, e das lágrimas que derramaram durante a minha fala, o sofrimento que experimentavam em suas vidas.

A situação foi tão comovente que a diretora me disse ao final da palestra: "Eu não imaginava que nosso colégio fosse palco de tantos conflitos".

A miséria moral desses dias está presente tanto num colégio de pessoas abastadas como o Bandeirantes, como nas escolas municipais e estaduais abandonadas pelo descaso dos governantes.

As dores permeiam o mundo juvenil nesses tempos, onde escasseiam as referencias positivas a partir dos lares.

Desde a ausência dos pais, onde muitos ainda acreditam que educar é prover o corpo e se manter ausente da vida dos filhos.

Casos de abuso sexual, conflitos na área da sexualidade, desagregação familiar, violência doméstica, alcoolismo e etc...

Diante disso tudo, o que fazer?

Tenho proposto nas escolas a criação de um departamento de escutatória, onde os jovens pudessem abrir o coração. Sem que o interlocutor ditasse normas ou recriminasse a conduta do garoto e da garota.

Sem ouvir, não podemos auxiliar, é preciso ganhar a confiança dos jovens, mas indo ao encontro dos anseios deles para propor-lhes um novo proceder e um outro olhar sobre a própria dor.

Nada de levar nossa forma de ver a vida e nossos conceitos como fórmula para a felicidade, isso é um equívoco.

A questão dos jovens muitas vezes é de solidão emocional em sua grande maioria.

Muitos me falam da falta de sentido para a vida e é nessa hora que a família pode fazer a diferença.

Eu só educo verdadeiramente quando sou agente honesto da minha fala, ou seja, quando exemplifico.

Já vai longe o tempo, felizmente, em que a educação era uma via de mão única, onde o educando não podia abrir a boca para falar.

Precisamos conversar com nossos filhos, prestar atenção neles, pois eles sinalizam claramente o que se passa em suas almas.

Alguém pode alegar que está presente na vida dos filhos, mas podemos indagar se essa presença tem qualidade de fato.

O suicídio juvenil é a segunda causa de morte entre os jovens do mundo e essa tragédia é um sinal claro de que não estamos acessando o coração dos nossos jovens a ponto de dar a eles confiança e sentido para suas frágeis vidas.

Se você é pai e mãe nesses tempos desafiadores a sugestão, é que esteja presente de fato na vida dos seus filhos e preste atenção neles em todos os momentos.

Acompanhe sem sufocar ou reprimir o que eles postam nas redes sociais, as companhias na escola, no clube...

A prevenção de qualquer mal passa pela ação efetiva do amor a se manifestar pelo interesse genuíno e responsável pela vida dos nossos jovens.

Os pais também estão necessitando de orientação para acessar o coração dos filhos, porque em algum ponto da caminhada eles "soltaram" a mão das suas crianças.

Não existem pais culpados e filhos inocentes, mas todos nós precisamos revisitar os nossos conceitos de família para o equilíbrio das nossas relações.

Somos todos convidados a conversar para conhecer, ouvir para descobrir de fato quem são os nossos filhos?
Adeilson Salles



quinta-feira, 19 de abril de 2018

COMO RESOLVO ESSE PROBLEMA - Maurício de Castro


Um problema não vai sair de sua vida enquanto você não aprender a lição que ele veio lhe ensinar. 

Cada problema, cada dor, cada sofrimento que surge em nosso caminho tem uma função educativa, de aprendizado. Se você passa pelo problema e não aprende, ele também não sai de você nem de sua vida.

Você pode até tomar uma decisão radical e removê-lo, mas, se não aprendeu com ele, se seu espírito não evoluiu, o problema vai voltar e com maior intensidade.

Quanto maior é um problema, uma dificuldade ou uma dor, maior é a nossa necessidade de aprendizagem. Por isso, diante de seus problemas, em vez de pedir a Deus que os solucione, peça com fé para que Ele lhe mostre o que você precisa aprender e onde você precisa mudar. Mudando e aprendendo os problemas não têm mais razão de ser e simplesmente somem de seu caminho.
Maurício de Castro


sexta-feira, 6 de abril de 2018

UMA BESTA ESPÍRITA - Por Antonio Demarchi

No ano de 1931, apenas no início de sua grandiosa jornada literária, Chico estava psicografando belíssimos poemas que seriam depois publicados em 1932, com o título de Parnaso de Além-Túmulo.

Eram poesias belíssimas assinadas por Augusto dos Anjos, Casimiro Cunha, João de Deus, entre outros nomes de respeito e sobejamente conhecidos no meio literário.

Um amigo do Chico, embora católico, havia ficado extremamente impressionado com o conteúdo denso dos versos e das rimas que havia lido. Ao tomar conhecimento de que um conhecido escritor mineiro na ocasião se encontrava em Pedro Leopoldo, conseguiu agendar um encontro com o médium, falando sobre a importância de um escritor conhecido dar sua opinião sobre as poesias psicografadas.

Ainda muito inexperiente e considerando a importância do aval de um escritor de renome sobre o que escrevia, Chico se animou trajando a melhor roupa que possuía para melhor impressionar o “dito” escritor.

No dia e horário aprazado, lá estava o Chico enfiado em uma calça de linho branco e em uma camisa de brim com um calhamaço de escritos debaixo do braço. Ao chegar, o amigo o apresentou:

— Este é o médium que lhe falei.

O intelectual olhou Chico de cima para baixo, cumprimentou-o e, em seguida, sem mais delongas, começou a ler as poesias. Deteve-se um pouco mais em algumas poesias, outras passou rapidamente sem dar muita atenção e finalmente sentenciou:

— Tudo isso é bobagem!

Olhou novamente para a figura de Chico, que naquela altura  estava extremamente constrangido, e cheio de empáfia, concluiu seu veredito:

— Este rapaz é uma besta!

Chico não sabia onde enfiar a cara de tanta vergonha, enquanto o amigo desenxabido ainda tentava argumentar:

— Mas, doutor, este rapaz é esforçado, tem boas intenções e abraça a Doutrina Espírita com convicção. É um médium espírita de valor!

Novamente o literato olhou Chico de cima para baixo e impiedosamente concluiu:

— Então é uma besta espírita!

E saiu sem dar mais atenção aos dois amigos, que ficaram olhando um para a cara do outro sem saber o que fazer. Chico foi embora muito agastado com aquela situação. Naquela noite durante a prece, sua mãezinha se apresentou. Ainda muito agastado, Chico não perdeu a oportunidade para ouvir um consolo de sua progenitora, que aparentemente parecia não estar a par do assunto. Chico, então, explicou a ela o ocorrido e esta, com um sorriso, respondeu:

— Não vejo motivo para você ficar chateado, meu filho.

— Ele me chamou de besta!

— E o que tem isso? — retrucou bem-humorada a mãezinha. — Besta é um animal muito útil e trabalha com disciplina, suportando o peso da carga com dignidade.

— Mas ele também me chamou de “besta espírita” — argumentou inconformado.

— Melhor ainda, meu filho! Imagine que você é uma besta a serviço do espiritismo, quanta carga haverá de suportar sem reclamar! Isto, sim, é importante, mas se a besta começar a dar coices para todo lado, ela deixa de ter serventia, será esquecida e deixada de lado.

Chico ficou pensativo com as palavras da mãe, que afagando seus cabelos, concluiu:

— Você não acha que fica bem assim? É melhor ser uma besta espírita que um “espírita besta”!

Antonio Demarchi

Texto do livro "Nas bênçãos de Chico Xavier"

quinta-feira, 5 de abril de 2018

NÃO CONSIGO VIVER SEM ELE - Maurício de Castro


"Depois de alguns anos de relacionamento ele me deixou e diz estar gostando de outra. Desde que isso aconteceu estou deprimida, sem vontade de fazer nada. Por favor me ajude, eu não consigo viver sem ele". (Cintia Augustin/Campinas-SP)

Um relacionamento só pode acontecer ou ser mantido se ambos desejarem. Quando um dos dois deixa de gostar ou não deseja a relação nada pode ser feito a não ser aceitar o fato e libertar a pessoa para que ela seja feliz, libertando-se também para novos caminhos de felicidade.

Tomar essa atitude não é fácil e requer muita coragem, amor por si mesmo, senso de realidade e, acima de tudo, vencer o sentimento de paixão e de posse.

O que você precisa entender é que ele não lhe quer mais, apaixonou-se por outra e deseja seguir adiante. Nesse caso, se você insistir irá aumentar a distância entre vocês impossibilitando uma amizade ou, pior, acabará por desenvolver nele uma aversão por você que será difícil de ser vencida. Quanto mais insistência, mais o outro vai se afastar.

Você precisa sair da síndrome da rejeição. Deixar de querer estar com você numa relação a dois não significa que ele a rejeite, simplesmente o sentimento passou, se transformou e ele seguiu outro caminho. Por que você não faz o mesmo?

Sei que é extremamente difícil tomar essa atitude, mas se não há mesmo possibilidade de volta, com certeza é o melhor caminho.

Você diz que não pode viver ser ele e chama isso de amor. Mas será mesmo amor? Quem ama liberta, mesmo que venha a sofrer com isso. Será que seu amor não estará adoecido pela paixão e pela dependência afetiva? Você viveu sem ele muito tempo antes de o conhecer, por que não poderá continuar vivendo agora?

Essa dependência afetiva que as pessoas têm pelas outras adoece, enfraquece e escraviza. Você passa a viver em função do outro e esquece de si, de investir em você, de ampliar seus conhecimentos, de viver sua vida e se desenvolver. Mesmo que você o ame, quando chega nesse ponto é porque a paixão ultrapassou o amor. E o que é a paixão? Por que nos apaixonamos perdidamente por uma pessoa? A paixão surge quando encontramos alguém que tem as características externas e internas que nós gostaríamos de possuir e não temos. Então aquela pessoa se torna maior que nós e maior que tudo, vira uma espécie de astro em que passamos a orbitar em torno. Nós queremos ter o que ela tem, o mesmo brilho, a mesma beleza, a mesma atração e, com isso, lutamos para ter a posse absoluta dessa pessoa, como se isso fosse possível.
É impossível alguém ter a posse do outro. 

Cada um é livre e está aqui na Terra para experimentar, aprender e evoluir. Conforme as necessidades de aprendizagem, resgate e reparação a vida une e separa as pessoas.

Está na hora de você compreender isso e entender que precisa deixar o seu amor suplantar sua paixão. Liberte quem você ama e vá ser feliz também. Nosso coração é gigantesco e não nasceu para amar uma pessoa só. Nós somos os gigantes do amor e podemos amar intensamente muitas vezes, basta que nos permitamos a isso.

Confie na Vida e acredite que você nasceu para ser feliz. Se não foi com ele poderá ser com outro ou poderá até ser sozinha porque você não necessita especificamente de um homem para ser feliz.


Se o amor que os uniu for verdadeiro, quando for oportuno a Vida os unirá novamente de maneira natural. Mas até lá cuide de você, invista em tudo que pode lhe colocar pra cima e lhe fazer bem, encontre um novo amor, estude coisas novas, mude, saia dessa zona de conforto e se permita viver.

Não será isso que a Vida estará querendo lhe ensinar com essa separação?

Maurício de Castro


terça-feira, 3 de abril de 2018

OS OITO COMPRIMIDOS - Claudinei Lopes



Em 1995, Dona Olinda desencarnou, e Fábio assumiu a responsabilidade pela Casa de Sheilla. Na época, Fábio achava que não daria conta. Disse a Chico que ele até poderia ajudar varrendo o chão, mas que Chico e Sheilla cuidariam do local. Chico sorriu e disse:

— Vamos pedir para Jesus que ele cuida de todo mundo!

Um dia, Fábio atende um homem que dizia estar passando por problemas e precisava tomar oito comprimidos por dia. Vez ou outra, no meio da conversa, usava os “oito comprimidos” para enfatizar a gravidade de sua situação. E nada do que Fábio dizia adiantava ou acalmava o homem. A conversa já durava mais de três horas sem sucesso, até que Fábio decidiu levá-lo ao Chico.

Chegando à casa de Chico, Fábio não comentou absolutamente nada sobre o que estava acontecendo. No momento em que Chico ia falar com o homem, ele pediu que trouxessem seus remédios e alguém trouxe quatorze comprimidos para ele tomar. Chico foi tomando um por um enquanto o visitante foi ficando cada vez mais sem jeito. Chico então falou:

— Graças a Deus temos os recursos da medicina!

Chico conversou um pouco mais com o sujeito, que não fez sequer uma só reclamação.

Saiu de lá outra pessoa. Um simples encontro mudou sua maneira de ver o mundo.

Claudinei Lopes
Parte do livro "Em busca de Chico Xavier"

terça-feira, 27 de março de 2018

DECEPÇÃO - Maurício de Castro


Não se decepcione com as pessoas. Cada um é o que é e só dá o que possui. Ninguém pode ir além de si mesmo.

A decepção é a visita da verdade e a culpa não é da pessoa, mas sim nossa, porque colocamos expectativas demais nos outros sem saber como elas são, sem conhecer outros lados de suas personalidades. Não devemos esperar nada de ninguém e ficarmos contentes com o que cada um pode oferecer. 

A decepção não deixa de ser uma desculpa para nos fazermos de vítima e dizer "coitado de mim, fui esperar tanto e deu no que deu". Mas quem mandou você esperar? Quem pode garantir pelo outro?

Hoje em dia eu não me decepciono com mais ninguém, porque não espero nada e fico muito grato com o que podem me dar. É assim que vamos descomplicando a vida e aprendendo a conquistar a paz. 

Aposte em você e não nos outros. Aceite que cada um tem seu limite, que todo mundo é humano, que todo mundo falha e liberte as pessoas. Verá como isso te fará bem.
Maurício de Castro


quinta-feira, 22 de março de 2018

ADIAM-SE COMPROMISSOS PARA A PRÓXIMA VIDA? - Ricardo Di Bernardi


Pela ótica da tese reencarnacionista, o que nesta vida estamos semeando passaremos a colher no futuro, e não só nesta existência terrena, mas também nas vidas posteriores. A responsabilidade pelos nossos atos torna-se muito maior, já que não há uma ideia salvacionista, porém uma concepção de evolução e colheita obrigatória. Não há, portanto, espaço para qualquer postura de acomodação ou preguiça.

A concepção reencarnacionista ensina que não existe "salvação", mas evolução. Não há almas "condenadas", mas transitoriamente enfermas. A mensagem cristã de que "nenhuma das ovelhas se perderá" ajusta-se plenamente à tese da pluralidade das existências dando oportunidade a que todos atinjam a felicidade. Permite atribuir facilmente a Deus a totalidade do amor e justiça.

No entanto, apesar do destino último de todas as criaturas após inúmeras reencarnações ser um destino perfeito, nós estamos sujeitos a cada momento às dolorosas consequências de nossos desatinos não extinguindo milagres salvacionistas que nos levam preguiçosamente a um paraíso, independentemente de uma vida inútil e perniciosa ao próximo.

Ricardo Di Bernardi

Texto do livro "A Reencarnação em Xeque"

quarta-feira, 21 de março de 2018

ESTA É A RECEITA DA FELICIDADE MAIOR (PARTE INTEGRANTE DO LIVRO "CAMINHANDO COM JESUS NA GALILEIA") - Adilson Ferreira

O discípulo pensou, pensou, e respondeu:


– Bem, Mestre, acho que entendi a tua pergunta. Quanto a mim, me vejo incompreendido pelas pessoas que me cercam. Muitas vezes, desejo fazer o bem, mas não consigo exatamente fazê-lo como o outro quereria que eu fizesse. E por isso sou criticado, em razão do não entendimento alheio. Tenho deficiências em mim, que busco reparar, mas nem sempre encontro o apoio alheio para empreender tal jornada, e me sinto fraco ao tentar fazer sozinho. Erro muito e procuro o perdão alheio, quase sempre sem sucesso. Bem que aquele a quem ofendi poderia compreender a minha deficiência e poupar meus sentimentos mais dolorosos através do perdão que tanto busco. Sei, Senhor, que não sou modelo de perfeição a ninguém, mas gostaria que me compreendessem, não pelo que sou, mas pelo que pretendo ser, por meio da modificação interior que já comecei a fazer.


André se mostrava bastante emocionado, e ao mesmo tempo surpreso com a coragem que demonstrou em dizer tudo aquilo em público. Jesus lhe mostrava um olhar de compreensão, dizendo:

– André, se pretendes que os outros façam tudo isto por ti, faças antes o mesmo para com os outros. Esta é a receita da felicidade maior. Assim, estarás amando verdadeiramente ao teu irmão.

Que lição maravilhosa acabávamos de receber! Daquela forma tudo ficou mais simples! De fato, para entender o que devemos fazer ou não fazer aos outros, bastava que invertêssemos os papéis.

Adilson Ferreira


sexta-feira, 16 de março de 2018

VOCÊ GOSTA DE "FALAR AS VERDADES" PARA AS PESSOAS? - Maurício de Castro

Você que gosta de falar "as verdades" para as pessoas ou gosta de "jogar as verdades" na cara das pessoas a pretexto de ser sempre sincera? É bom parar um pouco para pensar. De que verdade você está falando? Será mesmo a verdade do outro ou será a sua verdade? Será que você está mesmo sempre de posse da verdade? 

É bom ter cuidado com isso porque quem age assim passa a ser antipatizado pelos outros, evitado e quando for ver estará só. E quando isso acontece, em vez de reconhecer o próprio erro, dirá como se fosse vítima: "ninguém gosta de quem fala a verdade". A atitude de achar que sabe sempre a verdade dos outros, de até achar que sabe o que outros estão pensando é uma ilusão perigosa que faz a pessoa cair no julgamento, na condenação e na vaidade, pois quem assim age, costuma esquecer a verdade sobre si só para lembrar a dos outros. 


Não é para dizer coisas para agradar ou mentir para bajular os outros e pagar de boazinha, é para parar de julgar, centrar em si e saber calar quando é preciso. Na verdade é muito melhor calar do que dizer a "suposta verdade", pois calando nós exercemos a indulgência, que é uma virtude tão esquecida nos dias de hoje. Quando somos realmente verdadeiros aprendemos a falar a verdade com as pessoas num momento íntimo, sem ofendê-las, julgá-las ou expô-las aos outros. 

A pessoa verdadeira de fato fala tudo, mas sem ferir, sempre respeitando a liberdade de ser de cada um, e só fala quando chamada a emitir opinião ou quando a amizade permite. Pense nisso e veja que verdade é essa que você anda sempre falando. 

Pense em que proveito está tendo, se está realmente ajudando ou se você está apenas sendo agente da discórdia, da polêmica ou sendo usado pela própria vaidade na tentativa de esconder seus próprios erros e principalmente: analisar se aquelas verdades não servem igualmente para você. E lembramos sempre como nos ensinou Emmanuel por meio de Chico Xavier: "A verdade não é uma voz que fala, mas sim uma luz que brilha! 

Maurício de Castro