Barra de vídeo

Loading...

terça-feira, 27 de março de 2018

DECEPÇÃO - Maurício de Castro


Não se decepcione com as pessoas. Cada um é o que é e só dá o que possui. Ninguém pode ir além de si mesmo.

A decepção é a visita da verdade e a culpa não é da pessoa, mas sim nossa, porque colocamos expectativas demais nos outros sem saber como elas são, sem conhecer outros lados de suas personalidades. Não devemos esperar nada de ninguém e ficarmos contentes com o que cada um pode oferecer. 

A decepção não deixa de ser uma desculpa para nos fazermos de vítima e dizer "coitado de mim, fui esperar tanto e deu no que deu". Mas quem mandou você esperar? Quem pode garantir pelo outro?

Hoje em dia eu não me decepciono com mais ninguém, porque não espero nada e fico muito grato com o que podem me dar. É assim que vamos descomplicando a vida e aprendendo a conquistar a paz. 

Aposte em você e não nos outros. Aceite que cada um tem seu limite, que todo mundo é humano, que todo mundo falha e liberte as pessoas. Verá como isso te fará bem.
Maurício de Castro


quinta-feira, 22 de março de 2018

ADIAM-SE COMPROMISSOS PARA A PRÓXIMA VIDA? - Ricardo Di Bernardi


Pela ótica da tese reencarnacionista, o que nesta vida estamos semeando passaremos a colher no futuro, e não só nesta existência terrena, mas também nas vidas posteriores. A responsabilidade pelos nossos atos torna-se muito maior, já que não há uma ideia salvacionista, porém uma concepção de evolução e colheita obrigatória. Não há, portanto, espaço para qualquer postura de acomodação ou preguiça.

A concepção reencarnacionista ensina que não existe "salvação", mas evolução. Não há almas "condenadas", mas transitoriamente enfermas. A mensagem cristã de que "nenhuma das ovelhas se perderá" ajusta-se plenamente à tese da pluralidade das existências dando oportunidade a que todos atinjam a felicidade. Permite atribuir facilmente a Deus a totalidade do amor e justiça.

No entanto, apesar do destino último de todas as criaturas após inúmeras reencarnações ser um destino perfeito, nós estamos sujeitos a cada momento às dolorosas consequências de nossos desatinos não extinguindo milagres salvacionistas que nos levam preguiçosamente a um paraíso, independentemente de uma vida inútil e perniciosa ao próximo.

Ricardo Di Bernardi

Texto do livro "A Reencarnação em Xeque"

quarta-feira, 21 de março de 2018

ESTA É A RECEITA DA FELICIDADE MAIOR (PARTE INTEGRANTE DO LIVRO "CAMINHANDO COM JESUS NA GALILEIA") - Adilson Ferreira

O discípulo pensou, pensou, e respondeu:


– Bem, Mestre, acho que entendi a tua pergunta. Quanto a mim, me vejo incompreendido pelas pessoas que me cercam. Muitas vezes, desejo fazer o bem, mas não consigo exatamente fazê-lo como o outro quereria que eu fizesse. E por isso sou criticado, em razão do não entendimento alheio. Tenho deficiências em mim, que busco reparar, mas nem sempre encontro o apoio alheio para empreender tal jornada, e me sinto fraco ao tentar fazer sozinho. Erro muito e procuro o perdão alheio, quase sempre sem sucesso. Bem que aquele a quem ofendi poderia compreender a minha deficiência e poupar meus sentimentos mais dolorosos através do perdão que tanto busco. Sei, Senhor, que não sou modelo de perfeição a ninguém, mas gostaria que me compreendessem, não pelo que sou, mas pelo que pretendo ser, por meio da modificação interior que já comecei a fazer.


André se mostrava bastante emocionado, e ao mesmo tempo surpreso com a coragem que demonstrou em dizer tudo aquilo em público. Jesus lhe mostrava um olhar de compreensão, dizendo:

– André, se pretendes que os outros façam tudo isto por ti, faças antes o mesmo para com os outros. Esta é a receita da felicidade maior. Assim, estarás amando verdadeiramente ao teu irmão.

Que lição maravilhosa acabávamos de receber! Daquela forma tudo ficou mais simples! De fato, para entender o que devemos fazer ou não fazer aos outros, bastava que invertêssemos os papéis.

Adilson Ferreira


sexta-feira, 16 de março de 2018

VOCÊ GOSTA DE "FALAR AS VERDADES" PARA AS PESSOAS? - Maurício de Castro

Você que gosta de falar "as verdades" para as pessoas ou gosta de "jogar as verdades" na cara das pessoas a pretexto de ser sempre sincera? É bom parar um pouco para pensar. De que verdade você está falando? Será mesmo a verdade do outro ou será a sua verdade? Será que você está mesmo sempre de posse da verdade? 

É bom ter cuidado com isso porque quem age assim passa a ser antipatizado pelos outros, evitado e quando for ver estará só. E quando isso acontece, em vez de reconhecer o próprio erro, dirá como se fosse vítima: "ninguém gosta de quem fala a verdade". A atitude de achar que sabe sempre a verdade dos outros, de até achar que sabe o que outros estão pensando é uma ilusão perigosa que faz a pessoa cair no julgamento, na condenação e na vaidade, pois quem assim age, costuma esquecer a verdade sobre si só para lembrar a dos outros. 


Não é para dizer coisas para agradar ou mentir para bajular os outros e pagar de boazinha, é para parar de julgar, centrar em si e saber calar quando é preciso. Na verdade é muito melhor calar do que dizer a "suposta verdade", pois calando nós exercemos a indulgência, que é uma virtude tão esquecida nos dias de hoje. Quando somos realmente verdadeiros aprendemos a falar a verdade com as pessoas num momento íntimo, sem ofendê-las, julgá-las ou expô-las aos outros. 

A pessoa verdadeira de fato fala tudo, mas sem ferir, sempre respeitando a liberdade de ser de cada um, e só fala quando chamada a emitir opinião ou quando a amizade permite. Pense nisso e veja que verdade é essa que você anda sempre falando. 

Pense em que proveito está tendo, se está realmente ajudando ou se você está apenas sendo agente da discórdia, da polêmica ou sendo usado pela própria vaidade na tentativa de esconder seus próprios erros e principalmente: analisar se aquelas verdades não servem igualmente para você. E lembramos sempre como nos ensinou Emmanuel por meio de Chico Xavier: "A verdade não é uma voz que fala, mas sim uma luz que brilha! 

Maurício de Castro


quinta-feira, 15 de março de 2018

HOMENAGEM A STEPHEN HAWKING - ANTONIO DEMARCHI / ROSSANDRO KLINJEY / ADEILSON SALLES

A vida de Stephen Hawking é uma lição de vida a qualquer um de nós! Desde os vinte e poucos anos, portador de uma doença degenerativa que o prostrou em uma cadeira de rodas, fez com que seu corpo ficasse todo encarquilhado e praticamente incapaz de qualquer coisa.

Qualquer um se tornaria infeliz, se julgaria incapaz e passaria a reclamar da vida.

Não Stephen Hawking. Exemplo de luta, não se deixou abater pelas contrariedades da vida nem pelas limitações impostas por um corpo defeituoso que não correspondia à sua mente fulgurante!

Tornou-se o físico mais respeitado e mais importante do mundo atual, escreveu livros de extrema importância, como Uma Breve História do Tempo, Buracos Negros, O Futuro do Tempo e do Espaço, O Universo em uma casca de noz.

Vai-se o homem, fica sua obra grandiosa, seu esforço, sua obra e seu exemplo.

Podemos citar ainda outros exemplos magníficos de homens que não se deixaram abater pelas limitações da vida como o grande Jerônimo Mendonça, que também prostrado em um leito ditou livros de estimulo à vida, fundou uma creche e dava palestras motivadoras.

Ou ainda lembrar nosso irmão Bueno, um irmão excepcional acolhido desde a infância pelas Casas André Luiz, que também prisioneiro de um leito, não permitiu que isso fosse empecilho para enviar mensagens de bom ânimo e alegria para o mundo inteiro e ainda de quebra, publicou um livro intitulado "Me leva que eu vou". 

Onde se conclui que o espírito indomável não se verga às injunções da matéria nem às dificuldades ou às contrariedades da vida.

A morte de Stephen Hawking representa uma grande perda para a humanidade. Sem ele o mundo ficou mais pobre, mais vazio e sem graça.

Antonio Demarchi

Saiba mais sobre Antonio Demarchi






Enquanto o mundo se debruça sobre a morte de Stephen Hawking, por que não seguir contra o fluxo?

Vamos nos permitir olhar para a vida de alguém que transcendeu o título de cientista mais importante pós Einstein. A vida de Hawking vai além da ciência, é o exemplo de alguém que não se deixou limitar pelas próprias limitações.

A esclerose lateral amiotrófica (ELA) que paralisou os músculos do corpo de Stephen não foi capaz de paralisá-lo frente a vida. Isso me leva a refletir que tendemos muitas vezes a tornar gigantes as nossas pequenas paralisias.

Que nos fique o exemplo de Stephen. A vida é dinâmica, e nos exige movimento. Mesmo que você não se mova ainda assim é possível continuar caminhando.

Rossandro Klinjey





A ÚLTIMA CEIA CIENTÍFICA


Vencer a si mesmo, eis o grande desafio que o homem enfrenta todos os dias.

A maioria prefere culpar o mundo e as dificuldades, os gênios sonhadores como Stephen Hawking enfrentam os vastos desertos que carregam dentro de si e se tornam estrelas a iluminar o mundo.

Olhando para ele chego a sentir vergonha das vezes em que me queixei, em que responsabilizei alguém por aquilo que minha incompetência não realizou.

No campo da ciência também existem missionários e o cientista inglês é o mais claro exemplo.

Ele influenciou gerações, com sua oratória?

Não, tornou-se referência por seu discurso silencioso e ativo.

Era bem humorado, teve três filhos, escreveu livros e plantou árvores dentro das mentes inquietas, que não se deixam aprisionar pelo pensamento dos outros, mas que ousam ter a própria identidade e pensar sozinhos.

Pensando na sua vida e em sua contribuição para o progresso humano chego a considerar que ele manteve estreita comunhão com Deus, por que era religioso?

Por que, ia a igreja?

De jeito nenhum, sua comunhão com Deus se dava na liberdade e capacidade de raciocinar livremente.


O templo de Deus é a mente humana, justamente onde estão escritas suas leis, na consciência.

O tempo vai passar e por muitos séculos iremos refletir sobre a capacidade de um homem que não "falava", não andava, mas teve uma vida produtiva e feliz através da sua rara inteligência e percepção da vida.

Stephen Hawking está no mesmo patamar, ou acima, de Galileu Galilei e Albert Einstein, muito obrigado!

Adeilson Salles






quarta-feira, 14 de março de 2018

A TRISTEZA PODE SE TORNAR ENFERMIDADE PARALIZANTE

Encontro muitas pessoas tristes a margem do caminho e isso não é legal.

Homens e mulheres que abandonaram seus sonhos por experimentarem alguma decepção em seu caminhar.

Segundo a OMS Organização Mundial da Saúde até 2020 a depressão será a doença mais incapacitante do planeta.

Ou seja, em pouco tempo o número de pessoas tristes, que perderam o sentido das suas vidas irá aumentar, consequentemente o número de suicídios também.

A vida por seu dinamismo nos pede atitude, é claro que nem sempre é fácil despertar e enfrentar os desafios, mas, gostaria de chamar sua atenção para esses sentimentos que se escondem dentro da gente, e de repente surgem como monstros invencíveis, nos envolvendo em melancolia e tristeza.

Uma vez, conversando com meu filho sobre as alegrias que o trabalho com livros e palestras vinha me proporcionando, ele me disse: "Pai, quando geramos valores na vida da sociedade, a vida gera valores em nossa vida pessoal."

As palavras dele me fizeram pensar, e mais do que isso, comprovar a grande realidade de que todos fazemos parte de uma grande família, e qualquer ação, por menor que seja terá consequências na vida dos que me cercam.

A vida é bela a medida que ela é útil e produtiva.

São muitos os sentidos em que podemos entender essa utilidade.

Nossos gestos e palavras são como sementes invisíveis que semeamos diariamente através das escolhas realizadas.

Uma outra frase que sempre me vem a mente quando vejo alguém paralisado diante da vida é: "Quem seca a lágrima alheia não tem tempo de chorar as próprias."

É preciso se ocupar, para que os fantasmas que habitam nossa mente não tenham espaço, nem força, para comandar o nosso dia.



Se em algum momento eles surgirem, porque você se deteve nos pensamentos melancólicos, abrindo a porta do seu psiquismo para as assombrações emocionais, convide-as para dançar, chame-as a se ocuparem de decisões amorosas.

Tenho certeza que elas fugirão assustadas, porque os fantasmas só ganham força onde a vida se estagna.

Casas mentais mal assombradas têm a caraterística de serem habitadas pela preguiça e pelo desânimo.

Vivem cheias de teias de aranha porque o espanador do sorriso está jogado num canto qualquer da sua alma.

Não deixe a vida passar, sem que a marca do seu amor fique tatuada no coração dos que convivem com você.

Gere valores na vida das pessoas, e verás que naturalmente valores essenciais chegarão até você.


Adeilson Salles

Saiba mais sobre Adeilson Salles