terça-feira, 16 de abril de 2019

QUEM FOI VOCÊ EM EXISTÊNCIAS PASSADAS? | CHICO XAVIER POR ANTONIO DEMARCHI




Muitas pessoas manifestam aguçada curiosidade em saber quem foram em existências passadas. Se fôssemos mais atentos, teríamos consciência de que seria melhor não questionar, nem saber. Basta fazer uma breve análise de nós mesmos, o que somos agora. Com certeza, no passado fomos um pouquinho mais imperfeitos. Além do mais, os bons espíritos nos alertam que o esquecimento temporário do espírito durante a reencarnação é providencial, porque muitos de nós não suportaríamos e certamente sucumbiríamos diante de revelações dos erros clamorosos que cometemos.

Por essa razão, o esquecimento é uma providência da misericórdia divina. (...) 
* * *
Sempre que era questionado nesse quesito, Chico procurava se esgueirar com simplicidade e bom humor. Tinha sempre uma saída, na qual manifestava sua simplicidade e sua humildade, quando alguém lhe perguntava quem havia sido em existências passadas:
— Ah, minha filha, quem sou eu! — dizia com sua singeleza tão peculiar — Vocês é que são bondosas. Eu por mim, nada sou. Do Francisco, sou apenas o Cisco.
Numa ocasião, um grupo de senhoras de São Paulo, em visita ao médium em Pedro Leopoldo, adentrou essa perigosa seara. Uma delas se vangloriou, dizendo:
— Chico, eu tive uma revelação que, em um passado mais remoto, fui uma mártir do Cristianismo.
Outra não deixou por menos:
— Ah, Chico, eu também tive uma grandiosa revelação: na época de Cristo, fiquei sabendo que eu era uma cristã que orava nas catacumbas romanas, fui presa e morri nos espetáculos do circo romano, devorada por um leão!
O médium sempre ficava em silêncio com um sorriso nos lábios, possivelmente analisando as pessoas. Eram sempre personalidades importantes do passado, ninguém se apresentava dizendo: fui um carpinteiro, um lavrador, um humilde servidor. Eram sempre cabeças coroadas pela vaidade!
Diante do silêncio do médium, uma delas questionou:
— E, você, Chico, quem foi?
Então, com um sorriso, Chico respondeu:
— Ah, minha irmã, eu não fui ninguém. Acho que fui a pulga do leão que a devorou!
Ah, Chico, que saudades de você! Em sua simplicidade, em sua humildade, tinha paciência para ouvir corações aflitos, corações destroçados pela dor, almas desesperadas, criaturas sem esperança e tantos outros, sem questionar, sem se aborrecer, oferecendo a cada um palavras de amor, de conforto, de amizade, e de compreensão.
Estar ao lado do Chico era uma oportunidade rara. Quem teve essa oportunidade e soube apreciar, sabe do que estou falando.
Pena que muitas pessoas não compreenderam isso!


Nas Bençãos de Chico Xavier por Antonio Demarchi

Clique na imagem para saber mais.




 Siga nossas redes sociais:

 


terça-feira, 9 de abril de 2019

A FORÇA DO AMOR | ARTIGO POR DIVALDO FRANCO


Quanto mais o tempo se sucede no passar das horas, mais o amor se torna evidente como sendo a alma da vida, em razão da ordem que se observa no Universo e nas Leis que o mantém.

Não raro, defrontamos o caos em determinadas circunstâncias e ocorrências, mas mesmo aí, com acurada observação, constatamos uma ordem que responde pelo fenômeno e procedente desse equilíbrio que Aristóteles denominava como sendo harmonia.

As diferentes filosofias existenciais não têm conseguido manter a ordem espontaneamente e, não poucas vezes, regimes totalitários as aplicam utilizando as armas de destruição.

O amor, desde quando enunciado por Jesus, abriu espaço nas mentes e nos corações para os espetáculos de beleza, de progresso, através da Ciência e da Tecnologia de ponta. Na raiz de uma ou de outra conquista do pensamento, encontramos os notáveis missionários que se consagraram a criá-las, colocando-as a serviço do ser humano, a fim de o arrancar da ignorância, da superstição e penetrar nos então insondáveis mistérios existentes.

Quase todos aqueles que se dedicaram ao trabalho de construir instrumentos de riqueza para o ser humano renunciaram aos prazeres, às comodidades, às conveniências pessoais, e não foram poucos aqueles que se fizeram abençoados pelo êxito depois da morte em situações difíceis de ser suportadas.

Enfrentando a barreira da ignorância e da ferocidade, esses heróis modificaram a face do planeta, ofereceram verdadeiros milagres de conforto, de solução dos desafios da Natureza, de possibilidades de intercâmbio fraternal, de compreensão dos acontecimentos e de solidariedade humana.

Quantos foram vítimas das próprias descobertas, até o momento em que encontraram os mecanismos capazes de frear os perigos e facilitar a sua execução.

Causou espanto mundial a carta que Albert Einstein fez à sua filha Lieserl, e que foi publicada algo recentemente.

Permito-me a licença de transcrever alguns parágrafos desse extraordinário documento:
“Quando propus a teoria da relatividade, poucos me entenderam, e o que vou agora revelar a você, para que transmita à humanidade, também chocará o mundo com sua incompreensão e preconceitos... 

... Há uma força extremamente poderosa para a qual a ciência até agora não encontrou uma explicação formal. É uma força que inclui e governa todas as outras, existindo por trás de qualquer fenômeno que opere no universo e que ainda não foi identificada por nós.

Esta força universal é o AMOR.

Quando os cientistas estavam procurando uma teoria unificada do Universo, esqueceram a mais invisível e poderosa de todas as forças.
...O Amor é Deus e Deus é o Amor.”

Artigo publicado no Jornal A Tarde, na coluna Opinião, 04 de abril de 2019


Siga nossas redes sociais:

terça-feira, 2 de abril de 2019

O HOMEM EMPATIA | ESPÍRITO DO PROFESSOR HERCULANO POR JAIME RIBEIRO




“Que mundo é este em que é preciso ser louco para fazer o que é certo?”
 Aristides de Sousa Mendes

Em maio de 1940, o mundo assistia impressionado a blitzkrieg nazista invadir a França, levando preocupação sobre o futuro das nações européias poderosas.
Portugal foi um país que se declarou neutro, desde o início da Segunda Grande Guerra. Contudo, muitos historiadores afirmam que seu ditador fascista, Antonio de Oliveira Salazar, era simpático à Hitler e aos ideais nazistas. Tanto que em novembro de 1939 ele publicou a famosa circular 14, documento que proibia a emissão de vistos a judeus, russos e apátridas, impedindo-os de entrar naquele país.

O mundo todo já ouvia rumores do que estava ocorrendo com os judeus em países ocupados pelos alemães nazistas. Por isso, após a invasão alemã da França, dezenas de milhares de pessoas marcharam para o sul daquele país, dirigindo-se especialmente a Bordeaux, deslocando-se de trem, carro, bicicleta e até mesmo a pé, muitos deles empurrando carrinhos de bebês e carros de mão.

Naquela cidade, residia o Consul Português Aristides de Sousa Mendes.

Notando que multidões se aglutinavam na frente do consulado que ele dirigia, telegrafou a Lisboa para receber instruções sobre o que fazer naquela situação particular. A resposta foi categórica: “ que se cumpra a Circular 14”.

Alguns dias depois, Paris foi ocupada. Aristides sentia-se cada vez mais torturado pelo cenário de desespero daquelas almas humanas que assistia todos os dias. Dirigiu-se para a praça onde ficava a grande sinagoga de Bordeaux, que estava lotada de milhares de judeus, com o intuito de conversar com as pessoas e entender o nível de angústia delas. Na frente da sinagoga, ele conheceu Chaim Kruger, um jovem rabino polonês que estava acompanhado com a sua família no meio da multidão. 

Reconhecendo em Kruger um homem distinto, ofereceu-se para ajudá-lo. Contudo, seu pedido de vistos para o rabino e sua família foi rejeitado por Lisboa. Inconformado, Aristides prometeu ao novo amigo que faria tudo que estivesse ao seu alcance para conseguir os seus documentos.
Apesar de ter ficado muito feliz com o gesto do cônsul, o rabino protestou. Alegou que não era apenas ele que precisava de ajuda, mas todos que estavam ali correndo risco de perder a vida.

Aristides voltou para casa pensativo. Passou três dias trancado no quarto, reflexivo e sem saber como ajudar. Estava diante de um dilema ético profundo. Obedecer ao seu país ou salvar a vida de milhares de pessoas iguais a ele, que corriam o risco de morrer pelas mãos inescrupulosas do nazismo. Após aquele período de orações e reflexões, surgiu com uma decisão segura e enérgica: "de agora em diante, darei visto a todos eles", declarou no consulado. "Não haverá mais distinção de nacionalidade, raça ou religião". "Não posso permitir que todas essas pessoas morram".

Imediatamente, começou a assinar todos os vistos que eram colocados na sua frente, estabelecendo uma verdadeira linha de montagem de emissão daqueles documentos. Juntaram-se a ele dois de seus filhos, o próprio rabino Kruger e mais alguns diplomatas que foram convencidos por ele de que aquilo era o certo a ser feito e de que ninguém deveria testemunhar e sentir a dor do outro e continuar omisso.

O cônsul desobediente, assinou freneticamente os novos vistos. Trabalhou dia e noite, por três dias seguidos, sem sequer parar para dormir ou fazer uma refeição, com o objetivo de salvar a maior quantidade possível de pessoas, antes que a fronteira fosse fechada.

No final de junho de 1940, Salazar ficou sabendo do que estava acontecendo no Sul da França e mandou chamar Aristides de volta a Lisboa. Ele não atendeu a ordem prontamente. Só obedeceu ao chamado e desistiu de sua luta depois que a capital de seu país instruiu a polícia da fronteira espanhola a recusar os titulares dos vistos assinados por ele.

Mesmo assim, sabendo que ainda poderia fazer um pouco mais, a caminho para a fronteira, conseguiu conduzir uma caravana de refugiados por um cruzamento pouco conhecido, que costumava usar para evitar o trânsito de volta a Lisboa.
Quando chegou à capital, Aristides foi retirado da sua posição consular e teve sua aposentadoria declarada sem direito a qualquer pensão. Aos 55 anos de idade e após 30 anos de serviços em vários países, era o fim de carreira diplomática.

Mas não foi só esse o preço pago pelos seus atos heroicos. Sua família perdeu a própria casa, a chamada Casa de Passal. Em seguida, seus filhos foram proibidos de ingressar na universidade e os Sousa Mendes passaram a morar e se alimentar de favores feitos pela Comunidade Judaica de Lisboa. Os amigos judeus ainda ajudaram 11 dos seus 15 filhos a migrar para o Canadá e os Estados Unidos, para terem direito a uma vida digna longe de seus perseguidores.

Aristides de Sousa Mendes desencarnou como um miserável desconhecido no dia 03 de abril de 1954. Entretanto, entidades espirituais amigas nos informaram que ele foi recebido no mundo maior por benfeitores que trabalham diretamente com Maria de Nazaré. Prepararam para ele algo semelhante ao que se chama aqui na terra de honrarias de chefe de estado.

Em sua honrosa recepção, foi acolhido e aplaudido por centenas de criaturas, muitas delas parentes daqueles que foram salvos por sua empatia e fizeram questão de ir pessoalmente agradecer pela sua bondade.
Embora o número dos que foram salvos por ele durante o período de três dias não possa ser documentado, os historiadores estimam o número de 30.000 pessoas, dos quais pelo menos 10.000 eram judeus.

Quando perguntei ao espírito amigo que inspirou esse texto, se o número era semelhante ao que apontavam os historiadores, ele me informou que o próprio Aristides ficou sabendo depois, já no plano espiritual, que alguns outros colegas se inspiraram em sua coragem e emitiram outros tantos milhares de permissões. Muitas delas sem qualquer apresentação de passaportes, sendo firmadas em papéis avulsos, e salvaram mais 10.000 vidas que atravessaram por fronteiras desavisadas da Espanha.

Certamente, esse foi o maior ato de resgate de vítimas, que foi feito por um único ser humano ao longo do período de terror do holocausto.
Aqui na terra, apenas em 1966 veio o primeiro reconhecimento merecido para esse herói, quando Israel declarou Aristides “Justo entre as Nações”.
Vinte anos depois, o Congresso dos Estados Unidos emitiu uma proclamação em honra ao seu ato heroico.

Em sua terra natal o reconhecimento oficial só ocorreu tardiamente, em 1988, pelas mãos do presidente Mário Soares.
Alguns anos atrás a Casa do Passal foi declarada Monumento Nacional e o rosto de Aristides também passou a aparecer impresso em selos de vários países.
Na espiritualidade, há notícias de que ele trabalha no apoio aos refugiados e às vítimas de guerra, junto à falange de Maria de Nazaré. Continuou sendo o homem Empatia.

Jaime Ribeiro
Inspirado pelo espírito Professor Herculano.






Siga Jaime Ribeiro nas redes sociais:




terça-feira, 26 de março de 2019

A MELHOR EDIÇÃO DE NÓS MESMOS | POR JOSÉ CARLOS DE LUCCA EM PENSAMENTOS QUE AJUDAM



A vida espiritual, vida normal do Espírito, é eterna. 
A vida corporal, transitória e passageira, é apenas 
um instante na eternidade.

Allan Kardec[1]


Estamos aqui de passagem. Nossa morada verdadeira é o mundo espiritual, porque, na essência, somos espíritos, e de lá viemos para a Terra, numa rápida excursão de aprendizado e transformação.

Somos espíritos que, temporariamente, nos utilizamos de um corpo material, enquanto permanecemos estagiando na Terra. Já existíamos antes de virmos para cá. E vamos continuar existindo depois que expirar nossa tarefa por aqui, regressando ao mundo espiritual. O que se chama de “morte” é apenas o término da vida biológica, o término de um ciclo na vida terrena. Somos imortais, e nosso destino é o de nos tornarmos espíritos de luz, projeto que vai se construindo paulatinamente, através de sucessivas reencarnações.

Por essa razão, nada justifica dizer que perdemos um afeto querido quando ele volta para a sua morada espiritual. Nós não o perdemos, pois ele continua vivo em outra dimensão. Houve apenas uma separação temporária, não uma despedida para o “nunca mais”. É um “até breve”, pois, um dia, também nós regressaremos àquelas muitas moradas existentes na casa do Pai, como esclareceu Jesus, e estaremos juntos outra vez, para novas experiências, tarefas e aprendizados. A vida não para! A morte não existe. O que temos são apenas momentos em que um ciclo deve ser encerrado para um balanço geral evolutivo, a fim de que novas etapas possam ser programadas.

Tivemos necessidade de vir para este mundo  mais materializado, mais denso, imperfeito, inacabado, para adquirirmos experiências que promovam a nossa evolução. Precisamos encontrar adversidades para acordar as nossas potencialidades! Fomos criados por Deus com talentos ainda dormentes e que vão sendo despertados à medida que enfrentamos os obstáculos do mundo material. É por isso que a revolta, a rebeldia, a ociosidade, a indolência e o medo em nada colaboram para o nosso adiantamento. Já o otimismo, o trabalho, a coragem, a fé, a perseverança, a disciplina e o amor são grandes trampolins do nosso progresso.


E por que progredir? Não poderíamos ficar como estamos? Quanto mais o espírito se aprimora, superando as adversidades da vida material e adquirindo virtudes, mais ele se adianta na evolução, amadurece e se autogoverna, tornando-se feliz por isso. Quanto mais ele enjeita as oportunidades de progresso que a vida na matéria lhe propicia através do trabalho e do engrandecimento pessoal, tornando-se prisioneiro da sua própria omissão ou maldade, mais ele se atrasa na evolução, distanciando-se da felicidade.

Diante desse quadro, convém que cada um medite sobre o próprio aproveitamento da experiência que está tendo nesta vida. Sempre lembrando que nossa trajetória por aqui é passageira, que todos temos um bilhete de volta numerado, mas ninguém sabe qual será o próximo número a ser chamado. Não temos tempo a perder! Pesemos na balança o que convém levar na nossa bagagem de volta. Não vamos regressar com as malas vazias e com as contas não pagas, como diria o Mario Quintana![2] 

Bom é voltar com um passaporte carimbado de coração leve, paz interior, sorriso no rosto e uma nova versão de nós mesmos, revista, atualizada e melhorada!




[1]       Introdução ao Espiritismo, organização e notas de J. Herculano Pires, Editora Paideia.

[2]       http://pensador.uol.com.br/frase/MTE4NjQ1/ - acesso em 06/08/2016.


Capítulo do livro "Pensamentos Que Ajudam".

Pensamentos Que Ajudam por José Carlos De Lucca

Clique na imagem para saber mais.


 Siga o autor nas redes sociais

 

sexta-feira, 22 de março de 2019

HAROLDO DUTRA DIAS FALA SOBRE EMPATIA EM CONGRESSO ESPÍRITA




Em congresso espírita, Haroldo Dutra Dias explica porque o psicopata não se coloca no lugar do outro. Qual seria a cura para a psicopatia?




Siga nossas redes sociais:

segunda-feira, 18 de março de 2019

[ALERTA AOS PAIS] PAIS AUSENTES, MOMO PRESENTE | POR ADEILSON SALLES


Não resta dúvida que estamos vivendo um tempo de grandes transformações no campo sociológico.

O avanço tecnológico influencia o comportamento de todos atingindo as crianças, que têm acesso a smartphones e tablets e outros recursos modernos.

Com a popularização desses recursos os “psicopatas cibernéticos” entram em nossos lares também se utilizando desses canais.

Por isso, precisamos estar atentos.

Algumas crianças que têm contato frequente com vídeos populares infantis vêm sendo vítimas da aparição da boneca Momo, que surge aleatoriamente durante desenhos como a Pepa, tão adorada pelos pequenos.

Em suas aparições a personagem sinistra faz desafios as crianças ensinando-as práticas suicidas.

É a ação das mentes doentias que promovem situações dolorosas como essa, que muitas vezes ocorre pelo espaço que a família vem cedendo para as distrações eletrônicas.

Por isso, peço aos pais que ocupem seus lugares, onde a família está presente com livros e brincadeiras esses instrumentos de perturbação e morte não lograrão influenciar.

Revistas especializadas em educação alertam para o perigo de deixar as crianças em companhia de celulares e outros instrumentos tecnológicos.

A permanência excessiva em companhia de vídeos trará em breve tempo novas enfermidades psicológicas, que podemos evitar adiando o contato das crianças com os celulares, que certamente são também responsáveis pela instauração dos vícios cibernéticos.

Pais e livros presentes, Momo ausente.

Não deixe seu filho assistir sozinho esses vídeos populares nos canais de internet.

Esteja presente na vida do seu filho!






 Siga o autor nas redes sociais




quinta-feira, 14 de março de 2019

TRAGÉDIA SUZANO | O espírito Luiz Sérgio fala dos bastidores espirituais dos jogos violentos por Adeilson Salles




A vida humana vem sendo tratada banalmente feito um jogo qualquer. A competitividade entre as crianças e os jovens torna-se a cada dia uma prática rotineira revelando que o importante é vencer, é ser o melhor sempre.

O mundo infantojuvenil também é beneficiado pelas inovações tecnológicas de toda ordem. Por meio de computadores, telefones celulares e todo tipo de equipamento que interliga a mente ao mundo virtual, a conexão do pensamento acontece de maneira natural.

Toda essa modernidade, vinculada a uma educação muitas vezes omissa e permissiva, desencadeia os mais variados dramas na sociedade moderna.

Nesses dias de intensas lutas e grandes dores, as crianças e os jovens vêm sendo bombardeados emocionalmente pelos interesses materialistas.

Grande parte da humanidade não percebe que a tecnologia que deveria servir para diversão e educação do público infantojuvenil, na realidade, é poderoso instrumento e porta aberta para muitos dos males vivenciados nesses tempos.

Paralelamente a tudo isso, os espíritos seguem agindo, consoante os pensamentos e sentimentos das crianças e dos jovens.

Não raras vezes, à medida que as crianças e jovens alienam-se por meio de jogos violentos e viciosos, espíritos obsessores  aproveitam-se da fragilidade emocional desse público para insuflar a ideia suicida e promover suas ações de vingança.

O número de suicídios entre crianças e jovens cresce a cada dia.

A violência está se tornando um hábito comum, e a indiferença e a desvalorização da vida humana estão se transformando em verdadeira pandemia.

Alguns jogos eletrônicos, depois de praticados por muito tempo, têm o poder de promover a insensibilização de crianças e jovens.

São muitos os crimes praticados em todo mundo, que são plasmados e planejados no mundo espiritual, e incitados a se materializar pelos joysticks, aparentemente inofensivos.

Em um tempo em que os valores éticos morais são postos de lado e as referências positivas escasseiam, as mentes em formação ficam à deriva.

Estou de volta, para narrar minhas experiências e estudos, a respeito do que o mundo virtual pode promover na vida de crianças e jovens, principalmente daqueles que não recebem uma educação que imponha limites à permanência excessiva na vida virtual.

O fácil acesso às armas e os processos obsessivos deflagrados por mentes invisíveis atormentadas estão arrebatando a vida de muita gente.

Não inicio aqui uma campanha deliberada contra o mundo virtual, que isso seja compreendido.

Os games eletrônicos, quando utilizados com a devida disciplina, beneficiam positivamente as mentes em formação.

Nosso foco são os jogos violentos, visto que despertam os espíritos violentos de outras oportunidades reencarnatórias.

O endeusamento de esportes e jogos em que a agressão e o aniquilamento do outro garantem status social e simbolizam felicidade, precisa ser avaliado com mais cuidado.

A educação é um conjunto de ações no campo intelecto espiritual, que visa ao progresso do ser integral.

No retorno à dimensão espiritual, muitos games maníacos juvenis trazem em seu campo mental os personagens dos jogos eletrônicos aos quais se afeiçoaram, demandando tratamento e esforço de nossa parte, para que o equilíbrio seja restabelecido.

Mais do que nunca precisamos estar atentos à necessidade da educação integral do ser.

Quem acredita que a vida seja um game, lidando com ela de maneira displicente, terá de recolher as consequências e resultados dos games que escolheu.

Nosso desejo, ao apresentar os casos aqui narrados, é alertar os pais, educadores e jovens, que a mente infantojuvenil é um campo fértil, que necessita ser cuidado com responsabilidade e amor.

A vida não é um game, em que no final da disputa se pode apertar uma tecla e reiniciar o jogo, ela tem consequências, pois o espírito é imortal.

A vida na Terra não tem reset, restart. O recomeço pela reencarnação é sempre mais difícil e complicado, e o retorno não se dá pelo nosso bel-prazer.

Existem condições regidas pela Misericórdia Divina para que possamos retomar à vida na carne.

Se os homens soubessem verdadeiramente a logística que envolve um projeto reencarnatório, não tratariam a vida feito um jogo, uma brincadeira de vontades.

Para o espírito imortal não existe “Game Over”, mas as fases mal vividas de uma vida real, que podem trazer muitas dores e lágrimas.


Luiz Sérgio
Primavera 2016


Prefácio do livro "Game Over" do espírito Luiz Sérgio pelo médium Adeilson Salles


Game Over de Luiz Sérgio por Adeilson Salles

Onde encontrar "Game Over":











 Siga o autor nas redes sociais





segunda-feira, 11 de março de 2019

RECUPERE SEU FÔLEGO - NÃO PERMITA QUE A DIFICULDADE LHE ABRA PORTA AO DESÂNIMO | POR JOSÉ CARLOS DE LUCCA



Recupere o fôlego

Não permita que a dificuldade lhe abra porta ao desânimo, porque a dificuldade é o meio de que a vida se vale para melhorar-nos em habilitação e resistência.
André Luiz12


Não se renda ao desânimo!
É certo que, no calor das provações, podemos nos sentir abatidos. Isso é humano! O que devemos evitar é que o desâ­nimo se apodere de nós de tal forma que trave o movimento que cada um necessita realizar para sair da dificuldade.
O desânimo funciona como aquele sinal luminoso colo­cado no painel do veículo indicando que o combustível está acabando. Quando a luz acende, o motorista deve procurar um posto para abastecer. Se não fizer isso, em questão de pouco tempo, o carro terá deixado de funcionar. Quando o desânimo se apresentar a você, é sinal de que está precisando reabastecer o seu espírito com o combustível da oração, da fé e da compreensão.
Se precisar, descanse. Mas não desista! Procure momen­tos de contato com a natureza, um passeio no parque, cami­nhar descalço na terra, abraçar uma árvore, admirar uma flor, encantar-se com o sorriso de uma criança. Viaje para onde for possível, nem que seja para o cinema mais próximo, para a sorveteria do seu bairro ou para tomar um café com seu me­lhor amigo. A vida precisa de pausas. Respire fundo e, depois, siga adiante. Você estará mais forte.
Não se esqueça da prece. Peça a Deus o suplemento de forças para a vitória que o aguarda, se você não desistir de caminhar. Quando nos sentimos fracos, Deus nos enche de forças novas! Tenha fé em sua capacidade de superação do problema que o aflige e peça a Deus a orientação do melhor caminho a seguir.
Não acredite, porém, que Deus lhe trará caminhos fáceis, em que predomine a lei do menor esforço. Talvez Deus não mude a sua situação. Ele pode estar usando essa situação para que você mude! Compreenda que a sabedoria divina se uti­liza dos obstáculos para que cada um de nós se torne mais competente e resistente.
Então, convém a cada um se perguntar: diante do pro­blema que enfrento, quais habilidades preciso desenvolver para superar a dificuldade? Preciso ser mais paciente? Preciso aprender a lidar melhor com as pessoas? Necessito me quali­ficar melhor profissionalmente? Careço reciclar conhecimen­tos? Preciso ser mais corajoso? Careço de mais perseverança? Não estou sendo muito melindroso? Tenho cuidado de mim com atenção?
Essas são algumas das muitas perguntas que poderão surgir nesse momento. Faça isso sem o propósito de gerar culpa, mas com a finalidade de induzir-se a novas atitudes vencedoras. Saiba que nossos problemas, geralmente, sur­gem nas áreas em que precisamos crescer. Por isso, a cada problema resolvido, uma pessoa melhor e mais feliz renasce dentro de nós!



Capítulo do livro "Pensamentos Que Ajudam".

Pensamentos Que Ajudam por José Carlos De Lucca

Clique na imagem para saber mais.


 Siga o autor nas redes sociais