Barra de vídeo

Loading...

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

O Amigo Jesus entre os mais vendidos da Revista Veja


O livro "O Amigo Jesus", do consagrado autor José Carlos De Lucca é um dos mais vendidos do Brasil, segundo a revista Veja.
O filósofo grego Aristóteles, que viveu cerca de 300 anos antes de Cristo, trouxe uma das ideias mais belas sobre felicidade, que para ele é, na verdade, uma busca racional para se tornar um ser humano melhor, justo e bom. E tinha para si, como alicerce importante, se não o principal para alcançá-la, o cultivo da amizade.
E é partindo justamente da relevância da amizade, que José Carlos De Lucca debruçou-se no estudo da face poucas vezes tão bem explorada de Jesus, que é seu lado humano, em que o Cristo revela, especialmente, a importância de um amigo como condição para a realização da nossa própria natureza.
Com a leitura de O AMIGO JESUS, o leitor descobrirá que, mesmo nos momentos de maior aflição, jamais estará sozinho, pois tem Jesus, aquele que amou, sofreu e sentiu todas as vicissitudes humanas, falando diretamente ao seu coração, o que é sentido mais de perto através das lindas reflexões trazidas ao final de cada capítulo. Basta permitir que essa relação de amizade, há mais de 2000 anos buscada pelo Cristo, se solidifique, para que, então, possa perceber que, de fato, está no melhor caminho em direção à felicidade. E, com certeza, na melhor companhia!

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

JOSÉ CARLOS DE LUCCA NO RIO DE JANEIRO


Acompanhe a programação:

Dia 8 - Palestras Públicas
10h - Núcleo Espírita Léon Denis (NELD) - Estrada do Moinho, 135 - Campo Grande - RJ - Tel.: (21) 3407-3185
17h30 - Centro Espírita Joanna de Ângelis (CEJA) - Av. Gilberto Amado, 311 - Barra da Tijuca - RJ - Tel.: (21) 3139-3589

Dia 9 - Minisseminário: O Amigo Jesus
8h - Lar de Frei Luiz - Estrada Boiúna, 1367 - Taquara - RJ - Tel.: (21) 3539-9537 

domingo, 19 de outubro de 2014

Transtornos Mentais e Obsessivos - Divaldo Franco

O Dr. Emil Kräepelin estabeleceu que não há doenças que, quanto algumas funcionam na esfera psicológica, têm uma resposta fisiológica, não se podendo conceituar separadamente a mente e o espírito. Teve o cuidado de classificar em fichas todos os possíveis desequilíbrios mentais, liberando a Psiquiatria da Neurologia e dando-lhe um campo de investigação independente. Foi cognominado o pai da Psiquiatria moderna. Por outro lado, os notáveis trabalhos dos Drs. Breuler e Freud abriram espaço à Psicanálise, enquanto Alfred Adler e Carl Gustav Jung, descordando da ditadura do sexo proposta por Freud, ampliaram os estudos dando diferentes rumos à compreensão da psique humana.

Desde quando o Dr. Eugene Breuler, em 1911, definiu a esquizofrenia como “fragmentação das funções mentais”, a questão tem tomado vultos significativos, e as terapêuticas aplicadas variaram desde o lamentável “poço das serpentes”, aos eletrochoques, aos barbitúricos, às “catarses verbais", às recreações, etc.

Os pacientes esquizofrênicos já podem ter uma vida perfeitamente saudável sob controle e equilíbrio. Nada obstante, aumenta consideravelmente o número de vítimas dessa lamentável doença e as melhores terapêuticas aplicadas não conseguem os resultados anelados. Ao Espiritismo, ciência que estuda a alma sob vários aspectos, coube a tarefa de demonstrar que o doente é sempre o Espírito e não o corpo, devendo as atenções ser dirigidas também ao mesmo, embora a aplicação dos conhecimentos científicos logrados.

Sem que o paciente abandone o tratamento médico, que deve ser cuidadoso e paciente, cabe-lhe buscar os valiosos recursos psicoterapêuticos da renovação moral, da oração, dos passes ou fluidoterapia, das sessões desobsessivas, embora sem a sua presença nas mesmas, por considerar-se que, na raiz de toda enfermidade há interferências espirituais perturbadoras.

O Espiritismo insere-se, desse modo, como psicoterapia de saúde e paz.

Divaldo Franco

Artigo publicado no jornal A Tarde, coluna Opinião, em 09-10-2014.

Divaldo Franco escreve na quinta-feira, quinzenalmente.

Achou interessante? Passe um e-mail ou ligue para os nºs abaixo e comente, isso é muito importante para a permanência da coluna no referido jornal.

Central Telefônica: (71) 3340 - 8500 -
Redação: (71) 3340 - 8800
Email - opiniao@grupoatarde.com.br

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

210 ANOS DO NASCIMENTO DE ALLAN KARDEC, 03 de outubro de 2014


Hippolyte Léon Denizard Rivail, nasceu em Lyon no dia 3 de outubro de 1804 e desencarnou em Paris no 31 de março de 1869. Foi um influente educador, autor e tradutor francês. Sob o pseudônimo de Allan Kardec, notabilizou-se como codificador  do Espiritismo (neologismo por ele criado), também denominado de Doutrina Espírita. Foi um pioneiro na pesquisa científica sobre fenômenos paranormais (mais notoriamente a mediunidade), assuntos que antes costumavam ser considerados inadequados para uma investigação do tipo.
Adotou o seu pseudônimo para uma diferenciação da Codificação Espírita em relação aos seus anteriores trabalhos pedagógicos.
Biografia
Allan Kardec e sua esposa Amélie Gabrielle Boudet.
Nascido numa antiga família de orientação católica com tradição na magistratura e na advocacia, desde cedo manifestou propensão para o estudo das ciências e da filosofia.
Fez os seus estudos na Escola de Pestalozzi, no Castelo de Yverdon, em Yverdon-les-Bains, na Suíça (país protestante), tornando-se um dos seus mais distintos discípulos e ativo propagador de seu método, que tão grande influência teve na reforma do ensino na França e na Alemanha. Aos quatorze anos de idade já ensinava aos seus colegas menos adiantados, criando cursos gratuitos. Aos dezoito, bacharelou-se em Ciências e Letras.
Concluídos os seus estudos, o jovem Rivail retornou ao seu país natal. Profundo conhecedor da língua alemã, traduzia para este idioma diferentes obras de educação e de moral, com destaque para as obras de François Fénelon, pelas quais manifestava particular atração. Conhecia a fundo os idiomas francês, alemão, inglês e holandês, além de dominar perfeitamente os idiomas italiano e espanhol.
Era membro de diversas sociedades acadêmicas, entre elas o Instituto Histórico de Paris e a Academia Real de Arras; esta última, em concurso promovido em 1831, premiou-lhe uma memória com o tema "Qual o sistema de estudos mais de harmonia com as necessidades da época?".
6 de fevereiro de 1832 casou-se com Amélie Gabrielle Boudet. Em 1824, retornou a Paris e publicou um plano para aperfeiçoamento do ensino público. Após o ano de 1834, passou a lecionar, publicando diversas obras sobre educação, e tornou-se membro da Real Academia de Ciências Naturais.
Como pedagogo, o jovem Rivail dedicou-se à luta para uma maior democratização do ensino público. Entre 1835 e 1840, manteve em sua residência, à rua de Sèvres, cursos gratuitos de QuímicaFísicaAnatomia comparada, Astronomia e outros. Nesse período, preocupado com a didática, elaborou um manual de aritmética, que foi adotado por décadas nas escolas francesas, e um quadro mnemônico da História da França, que visou facilitar ao estudante memorizar as datas dos acontecimentos de maior expressão e as descobertas de cada reinado do país.
As matérias que lecionou como pedagogo são: Química, Matemática, Astronomia, Física, Fisiologia, Retórica, Anatomia Comparada e Francês.

Das mesas girantes à Codificação
Conforme o seu próprio depoimento, publicado em Obras Póstumas, foi em 1854 que o Prof. Rivail ouviu falar pela primeira vez do fenômeno das "mesas girantes", bastante difundido à época, através do seu amigo Fortier, um magnetizador de longa data. Sem dar muita atenção ao relato naquele momento, atribuindo-o somente ao chamado magnetismo animal do qual era estudioso, só em maio de 1855 sua curiosidade se voltou efetivamente para as mesas, quando começou a frequentar reuniões em que tais fenômenos se produziam.
Durante este período, também tomou conhecimento do fenômeno da escrita mediúnica - ou psicografia, e assim passou a se comunicar com os espíritos. Um desses espíritos, conhecido como um "espírito familiar”, passa a orientar os seus trabalhos. Mais tarde, este espírito lhe informa que já o conhecia do tempo das Gálias, com o nome de Allan Kardec. Assim, Rivail passa a adotar este pseudônimo, sob o qual publicou as obras que sintetizam as leis da Doutrina Espírita.
Convencendo-se de que o movimento e as respostas complexas das mesas deviam-se à intervenção de espíritos, Kardec dedicou-se à estruturação de uma proposta de compreensão da realidade baseada na necessidade de integração entre os conhecimentos científicos, filosóficos e moral, com o objetivo de lançar sobre o real um olhar que não negligenciasse nem o imperativo da investigação empírica na construção do conhecimento, nem a dimensão espiritual e interior do homem.
Tendo iniciado a publicação das obras de Codificação em 18 de abril de 1857, quando veio à luz O Livro dos Espíritos, considerado como o marco de fundação do Espiritismo, após o lançamento da Revista Espírita (1 de janeiro de 1858), fundou, nesse mesmo ano, a primeira sociedade espírita regularmente constituída, com o nome de Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas.

Os últimos anos

Túmulo de Allan Kardec em Paris.
Kardec passou os anos finais da sua vida dedicado à divulgação do Espiritismo entre os diversos simpatizantes, e defendê-lo dos opositores através da Revista Espírita Ou Jornal de Estudos Psicológicos. Já com cerca de oito milhões de seguidores, faleceu em Paris, a 31 de março de 1869, aos 64 anos de idade, em decorrência da ruptura de um aneurisma, quando trabalhava numa obra sobre as relações entre o Magnetismo e o Espiritismo, ao mesmo tempo em que se preparava para uma mudança de local de trabalho. Está sepultado no Cemitério do Père-Lachaise, uma célebre necrópole da capital francesa. Junto ao túmulo, erguido como os dólmens druídicos. Acima de sua tumba, seu lema: "Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sem cessar, tal é a lei", em francês.
Em seu sepultamento, seu amigo, o astrônomo francês Camille Flammarion proferiu o seguinte discurso, ressaltando a sua admiração por aquele que ali baixava ao túmulo:
Voltaste a esse mundo donde viemos e colhes o fruto de teus estudos terrestres. Aos nossos pés dorme o teu envoltório, extinguiu-se o teu cérebro, fecharam-se-te os olhos para não mais se abrirem, não mais ouvida será a tua palavra… Sabemos que todos havemos de mergulhar nesse mesmo último sono, de volver a essa mesma inércia, a esse mesmo pó. Mas, não é nesse envoltório que pomos a nossa glória e a nossa esperança. Tomba o corpo, a alma permanece e retorna ao Espaço. Encontrar-nos-emos num mundo melhor e no céu imenso onde usaremos das nossas mais preciosas faculdades, onde continuaremos os estudos para cujo desenvolvimento a Terra é teatro por demais acanhado. (…) Até à vista, meu caro Allan Kardec, até à vista!
—Camille Flammarion
Sobre Kardec, o engenheiro francês Gabriel Delanne escreveu:8
Substituindo a fé cega numa vida futura, pela inquebrantável certeza, resultante de constatações científicas, tal é o inestimável serviço prestado por Allan Kardec à humanidade.
—Gabriel Delanne
Obras
Obras didáticas

Página de seu livro "Plano Proposto para a Melhoria da Instrução Pública" (1828).
O professor Rivail escreveu diversos livros pedagógicos, dentre os quais destacam-se:
      ·     1824 - Curso prático e teórico de Aritmética, segundo o método de Pestalozzi, para uso dos professores e mães de família, com modificações - 2 tomos
    ·  1828 - Plano Proposto Para a Melhoria da Instrução Pública (coroado pela Academia Real de Arras)
       ·     1831 - Gramática Francesa Clássica
   ·  1831 - Qual o sistema de estudo mais consentâneo com as necessidades da época?.
   ·   1846 - Manual dos exames para os títulos de capacidade: soluções racionais de questões e problemas de Aritmética e de Geometria
    ·    1848 - Catecismo gramatical da Língua Francesa
    ·    1849 - Programa dos Cursos ordinários de QuímicaFísicaAstronomiaFisiologia
    ·    1849 - Ditados normais dos exames da Municipalidade e da Sorbona
    ·    1849 - Ditados especiais sobre as dificuldades ortográficas

Diplomas obtidos
Lista dos principais diplomas obtidos por Denizard Rivail durante a sua carreira de professor e diretor de colégio:
·      Diploma de fundador da Sociedade de Previdência dos Diretores de Colégios e Internatos de Paris - 1829
·         Diploma da Sociedade para a Instrução Elementar - 1847. Secretário geral: H. Carnot.
·         Diploma do Instituto de Línguas, fundado em 1837. Presidente: Conde Le Peletier-Jaunay.
·    Diploma da Sociedade de Educação Nacional, constituída pelos diretores de Colégios e de Internatos da França - 1835. Presidente:Geoffroy de Saint-Hilaire.
·         Diploma da Sociedade Gramatical, fundada em Paris em 1807, por Urbain Domergue - 1829.
·       Diploma da Sociedade de Emulação e de Agricultura do Departamento do Ain - 1828 (Rivail fora designado para expor e apresentar em França o método de Pestalozzi).
·    Diploma do Instituto Histórico, fundado em 24 de Dezembro de 1833 e organizado a 6 de Abril de 1834. Presidente: Michaud, membro da academia francesa.
·   Diploma da Sociedade Francesa de Estatística Universal, fundada em Paris, em 22 de Novembro de 1820, por César Moreau.
·    Diploma da Sociedade de Incentivo à Indústria Nacional, fundada por Jomard, membro do Instituto.
·     Medalha de ouro, 1º prêmio, conferida pela Sociedade Real de Arrás, no concurso realizado em 1831, sobre educação e ensino.

Obras espíritas
As cinco obras fundamentais que versam sobre o Espiritismo, sob o pseudônimo Allan Kardec, são:
·         O Livro dos Espíritos, Princípios da Doutrina Espírita, publicado em 18 de abril de 1857;
·         O Livro dos Médiuns ou Guia dos Médiuns e dos Evocadores, em janeiro de 1861;
·         O Evangelho segundo o Espiritismo, em abril de 1864;
·         O Céu e o Inferno ou A Justiça Divina Segundo o Espiritismo, em agosto de 1865;
·         A Gênese, os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo, em janeiro de 1868.

Além delas, como Kardec, publicou mais cinco obras complementares:
·  Revista Espírita (periódico de estudos psicológicos), publicada mensalmente de 1 de janeiro de 1858 a 1869;
·         O que é o Espiritismo? (resumo sob a forma de perguntas e respostas), em 1859;
·   Instrução prática sobre as manifestações espíritas (substituída pelo Livro dos Médiuns; publicada no Brasil pela editora O Pensamento)
·         Viagem Espírita de 1862 (publicada no Brasil pela editora O Clarim).

Após o seu falecimento, viria à luz:
·         Obras Póstumas, em 1890.

Outras obras menos conhecidas foram também publicadas no Brasil:
·         O Principiante Espírita (pela editora O Pensamento)
·         A Obsessão (pela editora O Clarim)

Fonte: Wikipedia - www.wikipedia.org.br