sexta-feira, 22 de março de 2019

HAROLDO DUTRA DIAS FALA SOBRE EMPATIA EM CONGRESSO ESPÍRITA




Em congresso espírita, Haroldo Dutra Dias explica porque o psicopata não se coloca no lugar do outro. Qual seria a cura para a psicopatia?




Siga nossas redes sociais:

segunda-feira, 18 de março de 2019

[ALERTA AOS PAIS] PAIS AUSENTES, MOMO PRESENTE | POR ADEILSON SALLES


Não resta dúvida que estamos vivendo um tempo de grandes transformações no campo sociológico.

O avanço tecnológico influencia o comportamento de todos atingindo as crianças, que têm acesso a smartphones e tablets e outros recursos modernos.

Com a popularização desses recursos os “psicopatas cibernéticos” entram em nossos lares também se utilizando desses canais.

Por isso, precisamos estar atentos.

Algumas crianças que têm contato frequente com vídeos populares infantis vêm sendo vítimas da aparição da boneca Momo, que surge aleatoriamente durante desenhos como a Pepa, tão adorada pelos pequenos.

Em suas aparições a personagem sinistra faz desafios as crianças ensinando-as práticas suicidas.

É a ação das mentes doentias que promovem situações dolorosas como essa, que muitas vezes ocorre pelo espaço que a família vem cedendo para as distrações eletrônicas.

Por isso, peço aos pais que ocupem seus lugares, onde a família está presente com livros e brincadeiras esses instrumentos de perturbação e morte não lograrão influenciar.

Revistas especializadas em educação alertam para o perigo de deixar as crianças em companhia de celulares e outros instrumentos tecnológicos.

A permanência excessiva em companhia de vídeos trará em breve tempo novas enfermidades psicológicas, que podemos evitar adiando o contato das crianças com os celulares, que certamente são também responsáveis pela instauração dos vícios cibernéticos.

Pais e livros presentes, Momo ausente.

Não deixe seu filho assistir sozinho esses vídeos populares nos canais de internet.

Esteja presente na vida do seu filho!






 Siga o autor nas redes sociais




quinta-feira, 14 de março de 2019

TRAGÉDIA SUZANO | O espírito Luiz Sérgio fala dos bastidores espirituais dos jogos violentos por Adeilson Salles




A vida humana vem sendo tratada banalmente feito um jogo qualquer. A competitividade entre as crianças e os jovens torna-se a cada dia uma prática rotineira revelando que o importante é vencer, é ser o melhor sempre.

O mundo infantojuvenil também é beneficiado pelas inovações tecnológicas de toda ordem. Por meio de computadores, telefones celulares e todo tipo de equipamento que interliga a mente ao mundo virtual, a conexão do pensamento acontece de maneira natural.

Toda essa modernidade, vinculada a uma educação muitas vezes omissa e permissiva, desencadeia os mais variados dramas na sociedade moderna.

Nesses dias de intensas lutas e grandes dores, as crianças e os jovens vêm sendo bombardeados emocionalmente pelos interesses materialistas.

Grande parte da humanidade não percebe que a tecnologia que deveria servir para diversão e educação do público infantojuvenil, na realidade, é poderoso instrumento e porta aberta para muitos dos males vivenciados nesses tempos.

Paralelamente a tudo isso, os espíritos seguem agindo, consoante os pensamentos e sentimentos das crianças e dos jovens.

Não raras vezes, à medida que as crianças e jovens alienam-se por meio de jogos violentos e viciosos, espíritos obsessores  aproveitam-se da fragilidade emocional desse público para insuflar a ideia suicida e promover suas ações de vingança.

O número de suicídios entre crianças e jovens cresce a cada dia.

A violência está se tornando um hábito comum, e a indiferença e a desvalorização da vida humana estão se transformando em verdadeira pandemia.

Alguns jogos eletrônicos, depois de praticados por muito tempo, têm o poder de promover a insensibilização de crianças e jovens.

São muitos os crimes praticados em todo mundo, que são plasmados e planejados no mundo espiritual, e incitados a se materializar pelos joysticks, aparentemente inofensivos.

Em um tempo em que os valores éticos morais são postos de lado e as referências positivas escasseiam, as mentes em formação ficam à deriva.

Estou de volta, para narrar minhas experiências e estudos, a respeito do que o mundo virtual pode promover na vida de crianças e jovens, principalmente daqueles que não recebem uma educação que imponha limites à permanência excessiva na vida virtual.

O fácil acesso às armas e os processos obsessivos deflagrados por mentes invisíveis atormentadas estão arrebatando a vida de muita gente.

Não inicio aqui uma campanha deliberada contra o mundo virtual, que isso seja compreendido.

Os games eletrônicos, quando utilizados com a devida disciplina, beneficiam positivamente as mentes em formação.

Nosso foco são os jogos violentos, visto que despertam os espíritos violentos de outras oportunidades reencarnatórias.

O endeusamento de esportes e jogos em que a agressão e o aniquilamento do outro garantem status social e simbolizam felicidade, precisa ser avaliado com mais cuidado.

A educação é um conjunto de ações no campo intelecto espiritual, que visa ao progresso do ser integral.

No retorno à dimensão espiritual, muitos games maníacos juvenis trazem em seu campo mental os personagens dos jogos eletrônicos aos quais se afeiçoaram, demandando tratamento e esforço de nossa parte, para que o equilíbrio seja restabelecido.

Mais do que nunca precisamos estar atentos à necessidade da educação integral do ser.

Quem acredita que a vida seja um game, lidando com ela de maneira displicente, terá de recolher as consequências e resultados dos games que escolheu.

Nosso desejo, ao apresentar os casos aqui narrados, é alertar os pais, educadores e jovens, que a mente infantojuvenil é um campo fértil, que necessita ser cuidado com responsabilidade e amor.

A vida não é um game, em que no final da disputa se pode apertar uma tecla e reiniciar o jogo, ela tem consequências, pois o espírito é imortal.

A vida na Terra não tem reset, restart. O recomeço pela reencarnação é sempre mais difícil e complicado, e o retorno não se dá pelo nosso bel-prazer.

Existem condições regidas pela Misericórdia Divina para que possamos retomar à vida na carne.

Se os homens soubessem verdadeiramente a logística que envolve um projeto reencarnatório, não tratariam a vida feito um jogo, uma brincadeira de vontades.

Para o espírito imortal não existe “Game Over”, mas as fases mal vividas de uma vida real, que podem trazer muitas dores e lágrimas.


Luiz Sérgio
Primavera 2016


Prefácio do livro "Game Over" do espírito Luiz Sérgio pelo médium Adeilson Salles


Game Over de Luiz Sérgio por Adeilson Salles

Onde encontrar "Game Over":











 Siga o autor nas redes sociais





segunda-feira, 11 de março de 2019

RECUPERE SEU FÔLEGO - NÃO PERMITA QUE A DIFICULDADE LHE ABRA PORTA AO DESÂNIMO | POR JOSÉ CARLOS DE LUCCA



Recupere o fôlego

Não permita que a dificuldade lhe abra porta ao desânimo, porque a dificuldade é o meio de que a vida se vale para melhorar-nos em habilitação e resistência.
André Luiz12


Não se renda ao desânimo!
É certo que, no calor das provações, podemos nos sentir abatidos. Isso é humano! O que devemos evitar é que o desâ­nimo se apodere de nós de tal forma que trave o movimento que cada um necessita realizar para sair da dificuldade.
O desânimo funciona como aquele sinal luminoso colo­cado no painel do veículo indicando que o combustível está acabando. Quando a luz acende, o motorista deve procurar um posto para abastecer. Se não fizer isso, em questão de pouco tempo, o carro terá deixado de funcionar. Quando o desânimo se apresentar a você, é sinal de que está precisando reabastecer o seu espírito com o combustível da oração, da fé e da compreensão.
Se precisar, descanse. Mas não desista! Procure momen­tos de contato com a natureza, um passeio no parque, cami­nhar descalço na terra, abraçar uma árvore, admirar uma flor, encantar-se com o sorriso de uma criança. Viaje para onde for possível, nem que seja para o cinema mais próximo, para a sorveteria do seu bairro ou para tomar um café com seu me­lhor amigo. A vida precisa de pausas. Respire fundo e, depois, siga adiante. Você estará mais forte.
Não se esqueça da prece. Peça a Deus o suplemento de forças para a vitória que o aguarda, se você não desistir de caminhar. Quando nos sentimos fracos, Deus nos enche de forças novas! Tenha fé em sua capacidade de superação do problema que o aflige e peça a Deus a orientação do melhor caminho a seguir.
Não acredite, porém, que Deus lhe trará caminhos fáceis, em que predomine a lei do menor esforço. Talvez Deus não mude a sua situação. Ele pode estar usando essa situação para que você mude! Compreenda que a sabedoria divina se uti­liza dos obstáculos para que cada um de nós se torne mais competente e resistente.
Então, convém a cada um se perguntar: diante do pro­blema que enfrento, quais habilidades preciso desenvolver para superar a dificuldade? Preciso ser mais paciente? Preciso aprender a lidar melhor com as pessoas? Necessito me quali­ficar melhor profissionalmente? Careço reciclar conhecimen­tos? Preciso ser mais corajoso? Careço de mais perseverança? Não estou sendo muito melindroso? Tenho cuidado de mim com atenção?
Essas são algumas das muitas perguntas que poderão surgir nesse momento. Faça isso sem o propósito de gerar culpa, mas com a finalidade de induzir-se a novas atitudes vencedoras. Saiba que nossos problemas, geralmente, sur­gem nas áreas em que precisamos crescer. Por isso, a cada problema resolvido, uma pessoa melhor e mais feliz renasce dentro de nós!



Capítulo do livro "Pensamentos Que Ajudam".

Pensamentos Que Ajudam por José Carlos De Lucca

Clique na imagem para saber mais.


 Siga o autor nas redes sociais
 








sexta-feira, 8 de março de 2019

EU PROTESTO - ARTIGO POR DIVALDO FRANCO – PROFESSOR, MÉDIUM E CONFERENCISTA


Lamentavelmente, a liberdade é uma conquista que nem todos os seres humanos compreendem. Alguns setores da sociedade confundem-na com a libertinagem, a permissão que lhes faculta o direito ao desrespeito a tudo quanto lhes perturba ou lhes impõe disciplina moral. Cada dia acompanhamos a perversão dos costumes e os atentados de vária ordem, utilizados insensatamente por esses libertinos escudados no direito que negam aos outros.

Não há muito, em nome da cultura, vimos exibir-se despido um homem no Museu de Arte Moderna de São Paulo, que se dispôs permitir-se apalpar por crianças em nome da liberdade. Outras exposições perversas foram apresentadas em Porto Alegre e em Belo Horizonte, em nome da arte, em espetáculos chulos e de baixo padrão moral, numa apresentação psicopatológica, exaltada pelos mesmos representantes do chamado progresso cultural. Há poucos dias, em São Paulo, no desfile do Carnaval, a Escola de Samba Gaviões da Fiel exibiu um quadro horripilante, ironizando Jesus, que era apresentado semidespido, surrado por Satanás, que o martirizava com um tridente, matando-O, enquanto caveiras sambavam em Sua volta. O espetáculo vulgar e agressivo mereceu a revolta de muitos foliões e pessoas outras que não puderam compreender a razão pela qual esse extraordinário vulto, considerado o maior da humanidade, cujo berço dividiu a História, naquela situação profundamente vexatória e agressiva não somente à Sua memória, assim como a todos aqueles que O respeitamos e cultuamos em nosso comportamento.

Com que direito esses sambistas arbitrários se permitiram denegrir a figura do Homem de Nazaré, respeitado mesmo por aqueles que não Lhe seguem as diretrizes filosóficas e religiosas? Esse comportamento viola todos os valores morais que a liberdade concede, naturalmente exigindo consideração ao direito dos outros. Sou espírita-cristão que aprendi com Ele a respeitar todas criaturas, credos e ateísmo, impositivos sociais e morais, não me podendo calar ante a afronta vil e zombeteira dos carnavalescos embriagados pelas paixões subalternas... Não é a primeira vez que a crueldade ateísta de alguns indivíduos tenta macular a figura incorruptível de Jesus. Incomodados com a grandeza e excelência dos Seus ensinamentos, que eles não têm valor moral para vivenciar, dominados por conflitos sexuais e de outra ordem, buscam desacreditar o incomparável pensador e Mestre, que vem iluminando a consciência da sociedade desde há dois mil anos.

Tem-se insistido em informar que Jesus era gay, em tentativa de diminuir-lhe a dignidade, e advogam, ao mesmo tempo, que os gays merecem todo respeito e consideração. Claro que os gays são credores de nosso respeito, pois que são pessoas normais e dignas, mas aqueles que assim procedem visam diminuir-Lhe o conceito de honradez, o que não deixa de ser um paradoxo. Espero que outros cristãos decididos apresentem a sua recusa e protesto a esses adversários da dignidade humana, demonstrando-lhes que as suas demências não servirão de modelo moral à sociedade em construção neste momento quando iniciamos uma Era Nova de justiça e amor. Jesus não é apenas um símbolo do Mundo melhor, mas o exemplo que e guia para a conquista da plenitude.

Artigo publicado no jornal A Tarde, coluna Opinião, de 7 de março de 2019.

Achou interessante? Passe um e-mail ou ligue para os nºs abaixo e comente, isso é muito importante para a permanência da coluna no referido jornal.

Central Telefônica: (71) 3340 - 8500
Redação: (71) 3340 - 8800
E-mail - opiniao@grupoatarde.com.br
WhatsApp: 99601-0020


Siga nossas redes sociais: