Barra de vídeo

Loading...

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

IVAN DE ALBUQUERQUE, POR ADEILSON SALLES, ENVIA MENSAGEM PARA O DIA DO JOVEM ESPÍRITA


NEM VELHOS, NEM MOÇOS


     Nesses tempos, muitos afirmam que a mocidade é o sorriso da casa espírita, e é verdade.
     Podemos asseverar também, que o trabalhador mais antigo, representa o olhar sereno do centro espírita.
    Há quem afirme, que os jovens necessitam ganhar cada vez mais espaço em nossas nobres instituições, não é menos verdade.
    Discursos inflamados pedem a transição imediata entre as gerações, para que as velhas práticas sejam postas de lado.
    É importante que avaliemos com respeito fraternal essas questões, pois em nosso campo de ação não existem práticas novas ou velhas, devem existir e prevalecer, apenas as práticas espíritas.
    Não podemos prescindir da força e do entusiasmo juvenil, da mesma forma, o servidor mais antigo, por suas experiências e dedicação é alguém que pode dar sustentação emocional e espiritual aos desafios do mundo moderno.
   Nos lares, a experiência dos pais é a vereda pela qual os filhos devem caminhar de maneira mais segura.
     Todos cumprem um papel na edificação do bem comum, seja na casa espírita, seja na ambiência doméstica.
     Não pode existir futuro responsável, sem que se considere o trabalho que deu base as casas espíritas de hoje.
     Nosso modelo e guia é Jesus, que mesmo trazendo a Boa Nova, não desprezou as antigas tradições de seu povo.
     Nem velhos, nem moços, apenas espíritos em momentos diferentes.
     O Espiritismo é o mesmo, o evangelho é o mesmo.
     Sem que as gerações se deem as mãos à obra perece.
     É preciso priorizar o trabalho, pois os interesses são os mesmos: o amor e a caridade.
   Em nossas abençoadas casas espíritas, a transição irá acontecer naturalmente, pela vontade dos homens, ou pelo labor do tempo.
   Velhos e moços, moços e velhos, o amanhecer e o anoitecer, o anoitecer e o amanhecer tudo concorre para a beleza e o equilíbrio da vida.
     O Cristo necessita de nossas mãos unidas, de nossos esforços conjuntos.
    Há que se refletir nas transformações que já ocorreram, e nas muitas que ainda irão ocorrer.
     Abençoado seja o tempo que traz as verdades, que purga as diferenças, que acomoda as ideias.
     Quando o vento das dissenções ameaçar a paz e a união em nosso caminho, esforcemo-nos por trazer Jesus para os nossos atos, porque o Mestre, mesmo sendo o portador das novas ideias não se rebelou contra a humanidade inteira, portadora e defensora das velhas ideias egoístas.
     Seja no lar, ou nas dignas instituições espíritas, todos têm espaço para fazer o melhor.
     As diferenças fazem parte do conjunto de exercícios, para o aprendizado entre todas as faixas etárias.
     Vale ressaltar, que todos são espíritos, uns a mais tempo no corpo, outros a menos tempo, outros fora do corpo, mas todos carecemos da prática da compreensão e do respeito mútuo.
     O espírito se rejuvenesce em ideias à medida que ele ama e serve.
     Na história do cristianismo, Estêvão buscou a experiência e o acolhimento de Pedro, quando chegou a Casa do Caminho; Paulo recebeu do velho Gamaliel os fragmentos do evangelho e aconselhamentos preciosos para sua missão apostólica.
     O novo não pode prescindir da experiência do velho, o velho não prescinde do novo para continuar o trabalho.
     Pelas leis da reencarnação, quando a morte não surpreende, o velho parte, e o jovem segue no mundo para no porvir receber o velho, que torna em corpo novo, para seguir executando a melodia imortal da vida.
     O anoitecer amanhece, o novo dia envelhece.
     Nem velhos, nem moços, apenas espíritos.    

 Ivan de Albuquerque   

            por Adeilson Salles   

Nenhum comentário:

Postar um comentário