terça-feira, 4 de dezembro de 2018

O SOBREVIVENTE DESIGNADO DO ESPIRITISMO por JAIME RIBEIRO.



Eu estava muito cansado. Havia viajado mais de oito horas até chegar ao hotel no Rio de Janeiro e fui direto para a cama.


Estava na minha cidade de coração por uma ocasião muito especial: assistir ao Congresso Mundial de Espiritismo e assumir uma nova tarefa como suplente de secretário, do recém-criado Conselho Espírita Internacional.


O convite para essa vaga surgiu porque eu entendo um pouco de plataformas digitais e talvez pudesse ser útil no processo de inclusão da tecnologia do movimento espírita. Foi uma indicação do meu orientador Luiz Saegusa, que é bastante influente no meio.


Claro que houve protestos por parte de alguns membros, afinal eu não era um nome conhecido e muito menos era um palestrante famoso. Poucos me conheciam. Contudo, espíritas ilustres que faziam parte do comitê aconselharam a todos que algum dia eu poderia ser útil.


Mesmo com tanta euforia, sou filho de Deus e antes de dormir queria ver mais um episódio da série da Netflix chamada Designated Survivor, que conta a fascinante história de Thomas Kirkman, um político irrelevante e prestes a ser descartado, que se torna presidente dos Estados Unidos após um atentado que desencarnou todos os políticos da linha de sucessão da presidência. Após se tornar o homem mais poderoso do mundo de um dia para o outro, sem planejar e sem ser conhecido e reconhecido, ele enfrenta uma avalanche de complexos desafios que o cargo exige, sem contar com qualquer confiança da população e de todos que estão ao seu redor. Surpreendendo a todos ele se sai muito bem e se transforma num líder sábio e empático que aos poucos conquista a todos.


Quando estava na metade do episódio o sono chegou. Eu já estava quase dormindo quando a minha porta do quarto abriu. Era o coordenador de uma das ONGs mais respeitadas do Brasil, que tem um lindo trabalho na África, acompanhado de mais cinco pessoas que eu nunca vi na vida.


Quase que como por uma ordem pediram para eu me vestir. Falaram que eu estava atrasado e precisava me apressar para o evento. Estavam todos com cara de chocados. Notei que alguns tinham suas roupas sujas e rasgadas, mas não questionei. Apenas obedeci apesar de não entender como eu poderia ter dormido 48 horas seguidas.


Perguntei para o rapaz da ONG o que estava acontecendo e ele me respondeu que tinha acontecido um problema. Que o avião fretado, que estava vindo de Brasília com todos os dirigentes espíritas das federativas e palestrantes, incluindo Divaldo Franco, Rossandro Klinjey, Haroldo Dutra e Suely Caldas Shubert, havia desaparecido no dia anterior e as autoridades fizeram contato dizendo que não haviam achado a aeronave.


Prontamente fiquei chocado e meu coração disparou pela boca. Pensei nos meus amigos queridos que estavam vindo e quando me sentei novamente sem forças nas pernas uma senhora me segurou pelo braço e falou: “filho, agora você tem que ser forte. Estão todos lhe esperando para abrir o congresso. Você agora é o novo presidente do Conselho Espírita Internacional e tem que abrir o evento no lugar do presidente desaparecido e fazer a palestra no lugar do Divaldo.” Ah, e antes que eu esqueça, após o Divaldo entra o Rossandro, então você terá duas horas e meia de palestra”.


Apesar de saber que era uma tragédia, eu sorri e falei: “mas eu não sou ninguém. Eu faço apenas palestras em alguns centros que me convidam por muita caridade. Isso é algum engano ou o Rossandro está me trolando e rindo atrás da porta do quarto”.


A senhora segurou no meu braço e falou: “não há mais tempo a perder. Vamos embora porque até o Dr. Bezerra psicografou ontem no conselho federativo nacional e disse que vai se comunicar hoje no congresso. Como Divaldo e De Lucca estão no avião, acreditamos que ele vai usar você. Ah, tem mais uma coisa. O Wagner da Fraternidade estava no avião também e tem umas instituições que querem se engajar no Projeto Nação Ubuntu e você tem que almoçar com eles e fechar tudo”.


Naquele momento eu gelei e pensei: meu Deus. Eu virei o Designated Survivor (Sobrevivente Designado) do espiritismo! Eu ainda não estou preparado. Preciso de mais tempo, treino, estudo e entender melhor o trabalho social da ONG na qual eu faço parte. Deve ter uma outra pessoa para isso. Por que logo eu?


Foi quando ao meu lado me aparece o meu mentor. Eu não sei vocês que também tem contato com o protetor, mas o meu está sempre de cara emburrada e me dando bronca. Mais uma vez ele me olha e diz o de sempre: “você me dá muito trabalho. Está na hora de acordar. Felizmente você ainda não é o Sobrevivente Designado da Doutrina Espírita, mas deveria estar preparado para ser. Não há mais tempo para viver a tarefa do Cristo de forma parcial. Jesus não vive parcialmente por nós. Ele vive por nós a cada fração de seu tempo. Acorde”.


Acordei assustado. Eu não estava em hotel algum. Estava no meu quarto em São Paulo. Tratava-se de um sonho dentro de um sonho.


De toda forma foi um grande aprendizado que mudou a minha vida para sempre. Percebi que precisava me doar mais à causa da nossa Doutrina maravilhosa que a tantos consola e esclarece.


Somos todos Designated Survivors do Espiritismo. Jesus conta com o nosso melhor para conduzir esse mundo para uma Nova Era.


O consolador não tem apenas um designado. Tem a todos nós. Não somos sobreviventes, somos eternos. Somos aqueles que, ainda imperfeitos, humildes espíritos classificados pelas bordas da terceira ordem da escala espírita, temos a missão de liderar a tarefa do bem na terra.


Vamos lá, leitor. Se olhe no espelho agora. Se estiver no sofá, pegue seu celular e se olhe na câmera: você verá um designado do Cristo na sua frente.


Jaime Ribeiro




Jaime Ribeiro é natural de  Recife. Espírita desde a adolescência,  é autor e palestrante. Trabalha como executivo da área de educação. É engenheiro químico formado pela Universidade Católica de Pernambuco e pós-graduado em marketing pela Fundação Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro. Escreveu Dora, seu primeiro livro infantil, que aborda as habilidades socioemocionais para as crianças, usando a adoção animal como instrumento. Também é autor do livro Empatia – Por que as pessoas empáticas serão os futuros líderes do mundo? Que aponta a empatia como a habilidade que será mais valorizada pela sociedade, em um mundo cada vez mais dominado pela tecnologia e com maior fragilidade de laços entre as pessoas.

5 comentários:

  1. É isso que acabei de falar num poster de uma menina da síria no face que Deus deu uma missão pra cada um de nós vamos fazer anossa parte pra um mundo melhor hipocrisia arrogância orgulho soberba etc tem que ser banido as pessoas tem que mudar seus conceitos mais amor ao próximo amor a Deus em primeiro lugar caridade e respeito mútuo

    ResponderExcluir
  2. Excelente conselho, precisamos mesmo nos doarmos por inteiro em prol da obra e lembrarmos que e a ação que valida a nossa fé.

    ResponderExcluir
  3. Excelente reflrxao. Passamos da hora de tirar a Doutrina da cabeça e colocá-la nas maos.��������������

    ResponderExcluir
  4. Jesus misericórdia! Não consigo nem imaginar o quanto estou longe dessa doação por inteiro! Tenho certeza de que a Divina Providência jamais se precipita e respeita o tempo e a condição de casa um. Façamos o nosso melhor e confiemos na sabedoria do Pai. ..

    ResponderExcluir
  5. Demorei a ler esta reflexão desde que recebi o link. Há muito compreendo que quando tomo conhecimento de um assunto envolvendo ensinamentos espírita, o recado vem pra mim. Assim como o recado veio pra você e para todos que leiam. Obrigada e bom trabalho.

    ResponderExcluir