Barra de vídeo

Loading...

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

PELO AMOR OU PELA DOR - NAS BENÇÃOS DE CHICO XAVIER



Sempre que podia, Chico visitava uma senhora muito pobre que morava na periferia de Pedro Leopoldo. Era uma mulher viúva que vivia sem situação de absoluta penúria em um casebre, localizado em um local descampado próximo a pequeno riacho.

Para complicar ainda mais a vida dessa pobre mulher, seu filho, agora com idade aproximada de sete anos, nascera cego, surdo, mudo e desprovido dos membros superiores. A presença de Chico naquela choupana representava o único momento em que aquela pessoa infeliz, esquecida do mundo, experimentava um pouco de alegria e reconforto espiritual.

Em suas visitas, Chico sempre levava alimentos e roupas, lia uma página do Evangelho e conversava com a mulher. Compadecido com sua situação de absoluta pobreza, procurava sempre proferir palavras de bom ânimo, enquanto a auxiliava no banho do filho, que aquela desventurada mãe segurava nos braços como se fosse seu tesouro mais precioso.

O garoto se expressava em forma de gemidos e sons guturais incompreensíveis, semelhante a uma algaravia, aquietando-se e sorrindo quando a mãe o beijava e o Chico acariciava seus cabelos.

Chico era uma alma de extrema sensibilidade, fazendo sempre tudo o que podia para amenizar o sofrimento das criaturas. O caso daquela mulher e de seu filho era algo que comovia o querido médium.

Um dia ela chegou ao Centro Luiz Gonzaga com o filho no colo e os olhos marejados de lágrimas. Chico interrompeu o que fazia naquele momento para atender imediatamente aquela desventurada mãe.

-Chico, - disse ela com a voz embargada pela emoção – meu filho está muito mal. Tem gemido nestas últimas noites sem parar e, então, o levei ao médico, que diagnosticou uma enfermidade grave nos ossos de suas pernas. Disse que, para salvar sua vida, terá que amputar as duas pernas.

Chico ouviu em silêncio e, com lágrimas nos olhos, abraçou a mãe e o filho doente. A mulher prosseguiu:
- Meu Deus, o que será do meu filho? Nasceu sem os braços, cego, surdo e mudo. Agora o médico diz que terá que amputar suas pernas! O que devo fazer, Chico?

Abraçado àquelas infelizes criaturas, Chico ouviu a voz de Emmanuel, que dizia:

- Este filho que esta mãe segura nos braços buscou a fuga da vida reiteradas vezes, de forma contumaz em suas últimas existências, por meio do suicídio. Nesta encarnação, pediu que lhe fossem retiradas todas as possibilidades de cometer o mesmo erro do passado e, por essa razão, reencarnou nessas condições. Todavia, nas últimas semanas, instintivamente tem procurado o rio para se atirar. 

O médico tem razão, infelizmente as pernas do garoto precisarão ser amputadas. Foi um pedido do próprio interessado e de sua mãezinha antes de reencarnarem e, dessa forma, terá que ser cumprido em seu próprio benefício.
Chico se calou abraçando aquela mãezinha e seu filho, e juntos choraram enquanto o médium proferia uma prece em favor daqueles espíritos em dura prova de doloroso resgate.

Ele sempre estava disposto a esquecer seus problemas, suas dores, suas agonias para auxiliar o próximo.

Do livro “Nas Bênçãos de Chico Xavier”, de Antonio Demarchi.
Para saber mais, acesse: http://goo.gl/bLHCTB


         

12 comentários:

  1. Que bom seria se já estivéssemos preparados para aprender apenas pelo amor...

    ResponderExcluir
  2. Temos que amar sempre, é o nossa meta, o Chico foi a encarnação do amor!!!

    ResponderExcluir
  3. Meu Deus eu não aguentaria isso e muito triste muito triste.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim é triste Adriana, qdo olhamos apenas para a atual existencia. Devemos sempre nos compadecer e auxiliar material e espiritualmente este seres em regeneração, pois será de grande valor não apenas para ele e sim para todos nós. Oremos sempre em prol da busca pela luz, amor incondicional, fraternidade... Muita luz a todos

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir