Barra de vídeo

Loading...

sábado, 31 de maio de 2014

Divaldo Franco - Bonn / Alemanha - 30 de maio 2014

Bonn/Alemanha - Divaldo Franco - 30 de maio
Roteiro de palestras Europa 2014



Na noite desta sexta-feira, 30 de maio de 2014, na tranquila cidade de Bonn, na Alemanha, marcando o início das atividades que se estenderão até o domingo, Divaldo Pereira Franco, o abnegado trabalhador de Jesus, conduziu os presentes no amplo salão de conferencias do Seminaris Hotel & Meeting Resorts, no culto do Evangelho no Lar. Iniciou as atividades convidando o barítono Mauricio Virgens que, com sua treinada voz, sensibilizou a todos interpretando Ave-Maria.




Ato continuo pediu a um dos presentes que realizasse a prece inicial, para logo em seguida abrir o Evangelho Segundo o Espiritismo ao acaso. A seleção recaiu sobre o Capítulo XX, item 01, Os Trabalhadores da Última Hora. Concluída a leitura, Divaldo solicitou aleatoriamente aos presentes que dessem a sua interpretação ao texto lido, o que se deu em oito idiomas, Português, Italiano, Alemão, Frances, Inglês, Catalão, Espanhol e Sueco.

Após todos darem as suas interpretações, Divaldo considerou o fascínio da mensagem de Jesus, onde cada um interpreta de uma forma, pois que o ensinamento do Divino amigo, é sempre rico de aprendizado. Chamou a atenção para a resposta daquele que convocou os trabalhadores, o que importa não é a quantidade do trabalho, mas a qualidade com que se faz. Discorreu também sobre a inveja dos que foram convocados na hora primeira do labor, concluindo que o senhor foi honesto, pagando o que prometera e injustiça alguma cometeu.

Comentou sobre o pensamento de Kardec, ao referir-se que os espíritas são os últimos a tomarem contato com o Evangelho de Jesus, e que nem por isso possuem menos direito ao trabalho nobilitante. Aquele que tem pouco tempo, sentindo-se honrado, vai com todo o ânimo, com todas as forças colaborar. Aqueles que se acham melhores, esclareceu Divaldo, em verdade não o são, e Jesus demonstrou isso nos momentos finais, quando se pôs a lavar os pés dos apóstolos, deixando para sempre a sublime mensagem da humildade.

É comum que pessoas presunçosas, que subestimam os mais simples na aparência, humildes, não darem-se conta que o reino dos céus é para aqueles que são simples e humildes de coração. A proposta dos trabalhadores da última hora é um convite ao amor, de mil formas, através da caridade, da simplicidade, da paciência, da compaixão, da gentileza, etc...




Finalizou deixando uma mensagem de união, que nos amemos, e ao invés de querer ser melhor que os outros, empenhemo-nos para sermos, nós próprios, melhores a cada dia. Convidou, então, o exímio Warren Richardson que encerrou as atividades da noite cantando a inesquecível canção Imagine, de John Lennon.

O silêncio pairava no ar, e ainda enlevados pela tocante canção, todos permaneceram concentrados em si próprios, buscando sorver os ensinamentos ali apresentados. O clima era de harmonia e gratidão pela oportunidade, pela vida...

Fotos e texto: Ênio Medeiros

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Divaldo Franco - Colônia / Alemanha - 29 de maio


Divaldo Franco - Colônia/Alemanha - 29 de maio
Roteiro de palestras Europa 2014 



Na quinta-feira, 29 de maio de 2014, Divaldo Pereira Franco retornou à Bonn, na Alemanha, onde desembarcou de um voo procedente de Milão/Itália, para a realização de um seminário no final de semana. De imediato dirigiu-se para a cidade de Colônia onde, ao convite dos amigos do Grupo Espírita Cantinho do Chico, proferiu belíssima conferência em Português com o tema Em Busca da Saúde e da Paz.


Homenageando o Apóstolo de Pedro Leopoldo, Francisco Cândido Xavier, a maior antena psíquica do século XX, Divaldo enalteceu o seu profícuo trabalho e exemplo de caridade. Referindo-se ao poder do amor, citou Mahatma Gandhi, cujo amor libertou oitocentos milhões de indianos e paquistaneses do tacão do poder britânico. 


Destacando a caridade como força geradora de saúde e paz, o Arauto do Evangelho narrou à bela e comovente história da jovem Ananda, da Índia, que depois de sofrer inenarráveis sofrimentos, humilhações e mutilações variadas pelo crime de ter contraído a lepra, tomou contato com Madre Teresa. Ananda, apesar da doença, dedicou-se a amar e servir ao próximo incondicionalmente. Divaldo detalhou, como exemplo de dedicação, o grandioso trabalho de abnegação total, e de amor irrestrito ao próximo e à Jesus de que se fez portadora a pequena gigante de Calcutá, demonstrando que o amor promove a saúde e a paz.

Adoecemos, esclareceu Divaldo, por que perdemos a ética, o sentido existencial, entregando-nos à depressão e abrindo campo às doenças. O paciente que não acredita em si, obtém muito menos êxito na terapêutica. De um lado, o ser humano possui muitos sofrimentos, e de outro, muitas soluções. Porém a infantilidade no comportamento faz com que o indivíduo deseje que os outros o cure, quando a cura, a saúde, está dentro de si mesmo. A criatura humana gosta muito de enganar-se, muitos pensam que ao retornarem à espiritualidade, tornar-se-ão santos, como que por encanto, apesar de uma existência muitas vezes voltada ao gozo e ao prazer. A morte não nos torna melhores, ela é um veículo que nos leva de volta à imortalidade.


A religião é um fator preponderante para a busca da saúde. Aqueles que adoecem e creem em Deus curam-se em maior número, e mais rapidamente do que os que Nele não creem. Aqueles que perdoam, que não carregam mágoas, adoecem menos. Asseverou o Semeador de Estrelas que cada um busque a paz como recurso para a saúde através da oração. Assim obterá os recursos necessários para manter-se em paz, mesmo quando visitado pelas enfermidades. Finalizando, afiançou que vale a pena amar. Quem ama está rico de luz e espalha paz. Que a presença de Jesus seja uma constante na vida de cada um, conclamando ao amor.

O amplo salão ficou mergulhado em uma atmosfera de paz. A plateia visivelmente emocionada olhava aquele homem que, à medida que falava, parecia agigantar-se, dispensando mesmo o microfone. Sua voz ecoava por todos os cantos do salão e especialmente na acústica das almas dos presentes, sedentas de paz, de ternura, de amor. Divaldo ali esteve renovando o canto daquele que ouvimos uma vez e não nos esquecemos nunca mais... Jesus.

Fotos e texto: Ênio Medeiros

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Divaldo Franco em Milão / Itália - 28 de maio 2014

Milão/Itália - Divaldo Franco - 28 de maio
Roteiro de palestras na Europa 2014 




Encerradas as atividades de divulgação da Doutrina Espirita em Roma, Divaldo Pereira Franco dirigiu-se à belíssima cidade de Milão, na Itália, onde foi recebido pelos amigos espíritas daquela cidade para falar desta vez sobre a mediunidade, abrigada sob o tema: Il sesto senso: sfide e benedizioni, come riconoscerlo e come gestirlo (O Sexto Sentido: desafios e bênçãos, como reconhecê-lo e como lidar com ele).


A magnífica conferência foi realizada no Centro Congressi Provincia de Milano, com o auxílio de Regina Zanella, traduzindo-a para o italiano. O evento contou com a apresentação do talentoso tenor Maécio Gomes, enriquecendo a atividade. Prestigiando o notável orador e seu trabalho, esteve presente o Cônsul do Brasil em Milão, Sr. Renan Paes Barreto.



Na oportunidade foram lançados os seguintes livros, vertidos ao Idioma Italiano, com a psicografia de Divaldo Franco: Medianità: sfide e benedizioni (Mediunidade, desafios e bênçãos), de Manoel Philomeno de Miranda; e Il Seminatore (O Semeador), de Amélia Rodrigues. Aproveitando a presença e a coincidência da oportunidade do trabalho desenvolvido por Divaldo Franco, um divulgador incomum do Evangelho de Jesus no mundo, foi apresentado o livro Paolo e Stefano (Paulo e Estevão), de Emmanuel e psicografia de Francisco Cândido Xavier, lançado pela EDICEI.




O incansável trabalhador de Jesus referiu-se ao trabalho do Prof. Charles Richet, Prêmio Nobel de Fisiologia, autor da obra Metapsiquica Humana, afirmando que os indivíduos são portadores de um sexto sentido. Aprofundando a temática, Divaldo expôs os conceitos e estudos realizados pela Psicotrônica e a Psicobiofísica, demonstrando que a psique humana transcende a matéria. O pensamento, salientou, não é um atributo do cérebro, é um atributo da psique, que os espíritas denominam de O Espirito Imortal. Desde Albert Einstein a ciência começou a pensar no campo da energia. Na energia, que é o mundo normal, existe o mundo espiritual. Desta forma, os homens se encontram em um moto-contínuo. Ora veste a matéria, ora despe-se, volta a vestir, e através da reencarnação atinge a plenitude.




Eloquente, Divaldo discorreu sobre diversos casos de paranormalidade ocorridos ao longo da história da humanidade, como por exemplo com Dante Alighieri, que após a sua morte apareceu ao filho indicando onde se encontravam o complemento de sua monumental obra A Divina Comédia, trancada em um cofre, cuja existência todos ignoravam. Divaldo narrou fatos por ele vivenciados, relativos à mediunidade, que muito contribuíram e enriqueceram o tema proposto.

Esclareceu que para trabalhar a mediunidade, a Doutrina Espirita recomenda uma vida moral elevada, para poder atrair bons espíritos, levando uma vida saudável, com saúde sexual e equilíbrio emocional. Sugeriu que se faça silêncio interior, que se acalme a mente, pois os bons Espíritos estão a nossa volta, trazem uma mensagem de otimismo e esperança e nos convidam a pensar em Jesus. Convocou ao exercício do amor, pois a verdadeira felicidade consiste em amar, e quando amamos temos um imenso tesouro, vivamos plenamente cada momento, e sejamos felizes agora.


A plateia, como que magnetizada pelas palavras acompanhadas da emoção daquele que simplesmente expõe o quotidiano de sua vida, não se levantou para sair, mas, aplaudindo intensamente o exímio orador, permaneceu por bastante tempo no amplo salão, convivendo no clima de paz e harmonia que ali se fizera. Já era quase chegada a hora primeira do dia vindouro, demonstrando a força do amor unindo os indivíduos...

Fotos e texto: Ênio Medeiros

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Divaldo Franco - Roma/Itália - 27 de maio

Divaldo Franco - Roma/Itália - 27 de maio
Roteiro de palestras Europa 2014 




Em seu segundo dia em Roma/Itália, e dando prosseguimento ao roteiro de divulgação da Doutrina Espírita pelo continente Europeu, no dia 27 de maio de 2014, uma terça-feira, nas instalações do L’Hotel Arco di Travertino, Divaldo Pereira Franco, eminente professor, humanista, apresentou o tema Psicologia della Gratitudine (Psicologia da Gratidão), com o auxílio de Valentina Vettorazzo traduzindo a conferência para o Idioma Italiano.

Trabalhador incansável de Jesus, Divaldo destacando o amor, referiu-se a Gandhi, que asseverava que se um único homem atingisse a mais elevada qualidade de amor, isto seria suficiente para promover a paz, demonstrando, assim, a força do amor.


Observando a sociedade atual, constata-se que a criatura humana transita entre o consumismo e o utilitarismo, que se expressa através das diversas conquistas materiais que levam o homem ao tormento da posse. Expondo o conhecimento produzido pelos filósofos da antiguidade e apoiando-se nessas conclusões, o Embaixador da Paz abordou os conceitos sobre o medo, a ansiedade e a solidão, questionando por que o homem, mesmo com tantas conquistas, ainda não encontrou a paz?




Aprofundando a temática e tornando-a mais compreensível, Divaldo narrou alguns exemplos por ele vividos dando-lhes importante toque de humor, provocando risos na plateia, proporcionando um relaxamento benéfico para a absorção do tema. Utilizando-se da psicologia de massa é possível observar a criatura sempre armada, pronta para reagir, esquecida da capacidade de ser gentil, de amar, de ser grata à vida.

Como mecanismo de estímulo, expôs a bela e verídica história de ingratidão experimentada por Adam Rickles, de formação judia ortodoxa e seu filho Joey, narrada no livro Os Pequenos Milagres, que nada mais são do que os mecanismos da providência Divina em ação, proporcionando a reabilitação ao equivocado e ingrato, movido pela força do amor, sensibilizando a atenta plateia.



Gratidão, esclareceu Divaldo, não é apenas devolver algo. Gratidão é não devolver o que de negativo o indivíduo receba. Tão pouco não se trata de esquecer o erro, nem de apoiar o erro, mas não se vincular à ele. Frisou o incansável orador: O nosso sentimento deve estar acima de qualquer situação, quando somos gratos, a vida adquire um novo sentido.

O espiritismo nos apresenta uma mensagem da gratidão incomparável, isto é, não fazer aos outros aquilo que não gostaríamos que nos fizessem, tentando ser melhor a cada momento, pois todos dependem de alguém, e por isso devemos ser gratos à vida.


Finalizando a conferência, o eminente orador afirmou que o importante não é crer em Deus, mas ser digno, viver dignamente. A verdadeira oração é a ação de fazer o bem, pois a maior felicidade possível é fazer o bem. Feliz é quem dá, é quem ama.



Efusivamente aplaudido, Divaldo a todos atendeu distribuindo gentilezas, atenção e esclarecimentos àqueles corações oprimidos pela aturdida correria cotidiana, muitas vezes em busca de coisa nenhuma. As expressões faciais dos participantes transpareciam serenidade, tocados pela mensagem de amor daquele que vive o que prega, o semeador infatigável do Cristo...

Fotos e texto: Ênio Medeiros

terça-feira, 27 de maio de 2014

Divaldo Franco - Roma/Itália - 26 de maio

Divaldo Franco - Roma/Itália - 26 de maio.
Roteiro palestras Europa 2014 




Saindo ao amanhecer do dia 26 de maio de 2014, segunda-feira, de Viena/Áustria, Divaldo Pereira Franco dirigiu-se à formosa e histórica cidade de Roma/Itália, sendo recebido no aeroporto pelos amigos do GRAK – Gruppo Di Roma Alan Kardec, que o conduziram diretamente ao hotel, onde após refazer-se rapidamente, seguiu para proferir uma conferência aos amigos do grupo espírita de Roma, mais precisamente aos trabalhadores espíritas.

Divaldo para atender ao tema proposto, a Psicologia do Perdão, iniciou referindo-se aos vários vultos da humanidade que abordaram inúmeros aspectos da criatura humana e dos seus relacionamentos, porém, frisou, ninguém o fez como Jesus. Somente Ele propôs o amor e foi além, lançou à humanidade um repto, que amássemos também aos inimigos. Qual o poeta que foi capaz de cantar algo semelhante as Bem-Aventuranças? Indagou.




O ilustre orador pintou verdadeiros quadros dos momentos vividos por Jesus, emoldurando-os com seu verbo eloquente, levando a atenta plateia a uma verdadeira viagem mental às paisagens por onde Jesus passou cantando o seu hino de amor.

Citando grandes nomes da psicologia moderna e o resultado por eles produzidos, culminou com a assertiva: quem ama não adoece, embora ocasionalmente tenha doenças, não é doente. Dissertou sobre os conflitos ocasionados pela culpa arquivada no inconsciente, e a importância do perdão a si mesmo, o autoperdão para o reequilíbrio emocional e uma vida saudável.




Aquele que aprende a perdoar é alguém que, despertando, resolve não aceitar e não carregar o lixo mental que lhe oferecem através da agressividade, da loucura e da insensatez. Todos têm o dever de se perdoar, todos possuem o direito a uma nova oportunidade. A reencarnação é a nova oportunidade que Deus concede aos indivíduos para a reabilitação.

Trabalhando a questão da felicidade, o peregrino do Cristo apresentou as cinco regras básicas para que a criatura humana alcance a felicidade, sugeridas pelo espírito Joanna de Ângelis: 1 - A vida é bela; 2 - Eu nasci para amar; 3 - Eu nasci para servir; 4 - O mal que me fazem não me faz mal. O que me faz mal é o mal que eu mesmo faço; e 5 - Eu nasci para esquecer o mal.




A psicologia do perdão, ressaltou Divaldo, nos convida ao autoamor, a buscarmos a reabilitação, tirando-nos a culpa, sem continuar no erro. Estamos buscando o pão que nos falta, este pão é o amor preconizado por Jesus.

Destacando o esforço, o amor, a dedicação, uma vida de abnegação à Doutrina Espirita, e em reconhecimento ao auxilio prestado ao longo dos anos ao Grupo Espírita de Roma, Divaldo foi homenageado com uma sugestiva placa. 




Finalizando a belíssima conferência, lembrando os cristãos primitivos que se reuniam nas catacumbas para orar, Divaldo deixou uma mensagem de estímulo e bom ânimo ao pequeno grupo de trabalhadores, renovando-os para servir e amar como ensinou Jesus. A base da felicidade, destacou o Arauto do Evangelho, é exatamente servir. Seja você aquele que tem a honra de servir.

Fotos e texto: Ênio Medeiros

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Divaldo Franco - Viena / Áustria - 25 de maio

Divaldo Franco - Viena/ Áustria - 25 de maio
Roteiro de palestras Europa 2014



Na tarde ensolarada e quente de Domingo, 25 de maio de 2014, Divaldo Pereira Franco retornou à belíssima Viena/Áustria pela vigésima quinta vez. Atendendo ao convite do Verein für spiritistische Studien Allan Kardec - VAK/Viena -, apresentou o tema: Überwindung Der Depression (Vencendo a Depressão). O minisseminário contou com momentos de grande beleza. Divaldo foi homenageado pelos grupos espíritas da Áustria, recebeu um livro histórico relatando através de fotos de todas as suas passagens por Viena desde 1989, contando ainda com a apresentação das belas vozes de Amanda e Taila que interpretaram alguns compositores clássicos.

Tendo por intérprete ao Idioma Alemão a eficiente Edith Burkhard, Divaldo salientou que a humanidade está vivendo um momento grave, onde a depressão tornou-se pandêmica. Referiu-se a variada gama de conquistas tecnológicas que o ser humano tem obtido, sem no entanto lograr a autoiluminação, prosseguindo com o semblante triste, abatido e com a fisionomia fechada. Para onde vai a humanidade? Questionou. E logo completou afirmando que por enquanto, para lugar nenhum, pois ainda se compraz nos sentidos sensoriais, o gozo, o prazer, sempre em detrimento das conquistas emocionais, que transcendem ao ter, a posse devoradora.




A Organização Mundial da Saúde – OMS - cita três elementos responsáveis pelo momento atual. A dissolução da família, a falta de conservação das tradições, e o isolamento das massas. Esses elementos criam uma ansiedade tormentosa. O tormento do consumismo, por exemplo, que chega ao ponto de fantasia alucinante, busca atender as futilidades que nenhuma falta real faz, porém para muitos, estas futilidades são tão importantes que o indivíduo, não obtendo o objeto desejado, fica infeliz, e não poucas vezes a vida perde o sentido. O desenvolvimento tecnológico não foi acompanhado pelo desenvolvimento moral e a criatura perde o sentido de si mesma e sente que a vida não possui nenhum significado.

Fazendo referência as obsessões, Divaldo asseverou que elas iniciam no ser que se é, pois na raiz de qualquer problema, o doente é o Espírito encarnado que atrai aqueles que lhe são afins, pelo ódio ou pelo amor. Apresentou, então, a terapêutica espírita como o esclarecimento através do Evangelho de Jesus, o uso da água fluidificada, os passes, as sessões mediúnicas.



Finalizando o brilhante trabalho, o Arauto do Evangelho e da Paz esclareceu que todos devem vigiar o coração, os sentimentos, atentos a necessidade de mudar de atitudes perante a vida, não respondendo o mal pelo mal, pois a vida cuida de todos. Nesse sentido afirmou Divaldo: estamos na terra para sermos felizes, vivamos intensamente cada momento da nossa vida. Todos temos problemas, mas coloquemos esperança e amor acima de todos estes sentimentos. Não há fortuna maior do que uma consciência em paz, é muito fácil ser feliz, olhemos para o futuro e lembremos que somos imortais, nada nos impede de alcançar a divindade.

Fotos e texto: Ênio Medeiros

sábado, 24 de maio de 2014

Divaldo Franco em Linz / Áustria - 23 de maio 2014

Divaldo Franco - Linz/ Áustria - 23 de maio
Roteiro de palestras Europa 2014




O dia era 23 de maio de 2014, uma sexta-feira, no período da tarde o Embaixador da Paz no Mundo, Divaldo Pereira Franco, desbravando fronteiras, foi pela primeira vez levar a mensagem consoladora do espiritismo à belíssima cidade de Linz na Áustria, nas instalações da Johannes Kepler Universität, falando sobre Ciência e Espiritismo.

O Arauto do Evangelho fez um relato histórico a partir do Século XVI, o século dos grandes cientistas, apresentando os feitos de Lorde Francis Bacon, Nicolau Copérnico, Galileu Galilei, Blaise Pascal, entre outros, além de relatar a evolução do pensamento materialista. Fazendo uma conexão com o conhecimento científico de então, Divaldo apresentou os fenômenos ocorridos com as irmãs Fox, em Hydesville, em Nova Iorque/EUA, chegando até ao professor Hippolyte Léon Denizard Rivail, que através de métodos ainda rudimentares, revelou todo um novo mundo, vindo a seguir a ser convidado, sob o pseudônimo de Alan Kardec, a publicar no dia 18 de abril de 1857, em Paris, O Livro dos Espíritos.





O nobre conferencista ainda abordou o trabalho produzido por Carl Gustav Jung sobre Self, - o espírito -, a Sombra, - as heranças reencarnatórias -, o estado Numinoso, ou a Individuação, que coloca o indivíduo diante de Jesus, falando sobre o Reino dos Céus. 

Avançando no campo do conhecimento científico, o Semeador da Boa Nova citou também o geneticista Francis Collins, líder do Projeto Genoma Humano Internacional, trabalhando no que há de mais moderno em torno do estudo do DNA, o código da vida. O brilhante cientista americano, biólogo, afirmou que essa grande pesquisa certifica como Deus criou a criatura humana. É um cientista apresentando evidências de que Ele existe.




Neste mesmo sentido, Divaldo destacou as conclusões a que chegou o astrofísico inglês Sir James Jeans que afirmava: os cientistas dizíamos que o universo é uma máquina, mas agora sabemos que é um pensamento que se expande e se contrai. Adentrando-se por essa linha, Divaldo relatou os fatos envolvendo o maior neurocirurgião dos EUA, Herbert Alexander III, que foi vítima de meningite, entrando em coma, com morte cerebral por sete dias, vivendo com auxílio de aparelhos e o cérebro sem reação nenhuma. Seus colegas resolveram desligar os aparelhos para que ele morresse, porém, trinta minutos antes disto ele despertou, explicando que durante os sete dias vivera em um local diferente.

Após esse episódio Herbert Alexander III escreveu o livro O CÉU EXISTE. Ele que era materialista, após viver este fato, passou a afirmar que fora do cérebro se pode pensar e que nós somos energia pensante. O fascinante é que a doutrina espírita demonstra isto no laboratório da mediunidade. A ciência espírita está ao lado do conhecimento cientifico moderno, a cada dia a ciência nos leva a imortalidade da alma.




Finalizando a enriquecedora conferência, Divaldo afirmou: é muito agradável saber que eu não vou morrer, que em breve mudarei de estado vibracional, acho fantástico e aproveito todas as horas. Desejo ir, para poder voltar, por que a beleza na crença da imortalidade da alma é algo que nos enriquece e explica todas as aparentes anomalias que aí estão. O espiritismo é uma ciência filosófica de consequências morais, que nos leva a um estado de religiosidade.

O Arauto do Evangelho fez um relato histórico a partir do Século XVI, o século dos grandes cientistas, apresentando os feitos de Lorde Francis Bacon, Nicolau Copérnico, Galileu Galilei, Blaise Pascal, entre outros, além de relatar a evolução do pensamento materialista. Fazendo uma conexão com o conhecimento científico de então, Divaldo apresentou os fenômenos ocorridos com as irmãs Fox, em Hydesville, em Nova Iorque/EUA, chegando até ao professor Hippolyte Léon Denizard Rivail, que através de métodos ainda rudimentares, revelou todo um novo mundo, vindo a seguir a ser convidado, sob o pseudônimo de Alan Kardec, a publicar no dia 18 de abril de 1857, em Paris, O Livro dos Espíritos.






O nobre conferencista ainda abordou o trabalho produzido por Carl Gustav Jung sobre Self, - o espírito -, a Sombra, - as heranças reencarnatórias -, o estado Numinoso, ou a Individuação, que coloca o indivíduo diante de Jesus, falando sobre o Reino dos Céus. 

Avançando no campo do conhecimento científico, o Semeador da Boa Nova citou também o geneticista Francis Collins, líder do Projeto Genoma Humano Internacional, trabalhando no que há de mais moderno em torno do estudo do DNA, o código da vida. O brilhante cientista americano, biólogo, afirmou que essa grande pesquisa certifica como Deus criou a criatura humana. É um cientista apresentando evidências de que Ele existe.

Neste mesmo sentido, Divaldo destacou as conclusões a que chegou o astrofísico inglês Sir James Jeans que afirmava: os cientistas dizíamos que o universo é uma máquina, mas agora sabemos que é um pensamento que se expande e se contrai. Adentrando-se por essa linha, Divaldo relatou os fatos envolvendo o maior neurocirurgião dos EUA, Herbert Alexander III, que foi vítima de meningite, entrando em coma, com morte cerebral por sete dias, vivendo com auxílio de aparelhos e o cérebro sem reação nenhuma. Seus colegas resolveram desligar os aparelhos para que ele morresse, porém, trinta minutos antes disto ele despertou, explicando que durante os sete dias vivera em um local diferente.

Após esse episódio Herbert Alexander III escreveu o livro O CÉU EXISTE. Ele que era materialista, após viver este fato, passou a afirmar que fora do cérebro se pode pensar e que nós somos energia pensante. O fascinante é que a doutrina espírita demonstra isto no laboratório da mediunidade. A ciência espírita está ao lado do conhecimento cientifico moderno, a cada dia a ciência nos leva a imortalidade da alma.

Finalizando a enriquecedora conferência, Divaldo afirmou: é muito agradável saber que eu não vou morrer, que em breve mudarei de estado vibracional, acho fantástico e aproveito todas as horas. Desejo ir, para poder voltar, por que a beleza na crença da imortalidade da alma é algo que nos enriquece e explica todas as aparentes anomalias que aí estão. O espiritismo é uma ciência filosófica de consequências morais, que nos leva a um estado de religiosidade.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Divaldo Franco - BRNO/República Tcheca - 22 de maio

Divaldo Franco - BRNO/República Tcheca - 22 de maio
Roteiro de palestras Europa 2014




No entardecer do dia 22 de maio de 2014, quinta-feira, após deslocar-se de automóvel com alguns amigos, saindo de Praga, Divaldo Pereira Franco chegou à cidade de BRNO/República Tcheca, para proferir uma conferência sobre O Poder do Pensamento na cura e na Dor, com o inestimável auxílio de Josef Jackulak, vertendo para o Idioma Tcheco as informações apresentadas.

Vale a pena salientar o vigor desse trabalhador incansável de Jesus, que vai aonde está a oportunidade do trabalho no bem. Parece não cansar. Colocando em primeiro lugar os compromissos com Jesus, Divaldo não dispõe de tempo para ingerir algum alimento em muitas oportunidades. Desloca-se entre o aeroporto, o hotel e o local da conferência, para ali estar, bem antes da hora marcada, atendendo a todos com o mesmo carinho, a mesma atenção e, no silêncio de suas ações vai ensinando as lições do amor, através do seu exemplo irretocável.





Divaldo iniciou afirmando que a felicidade é a grande meta da humanidade. Com essa assertiva deu início ao belíssimo e enriquecedor trabalho. Para uns a felicidade é ter fama, fortuna, projeção social, etc., porém, é inegável que ter saúde é essencial e deve ser a meta de todos, situando as aspirações humanas.

Discorrendo sobre o pensamento, esclareceu que o Espírito é constituído de partículas mentais, partículas de energias e o dever de cada um é controlar esta energia. Alguns perdem a calma por quaisquer motivos, são classificadas como pessoas nervosas. Porém, para que o indivíduo tenha saúde deverá controlar as suas atividades mentais através dos pensamentos e das emoções. Em sendo um ser racional, não deve permitir que qualquer ocorrência o perturbe. Toda vez que reage, perde o equilíbrio. Deveria, portanto, agir e não deixar que os outros o perturbem. Saúde e doença são resultados do comportamento mental, com exceção das doenças genéticas.




Citando as pesquisas do Dr. Bernie Siegel, conhecido por seu best-seller, o livro Amor, Medicina e Milagres, que constatou que pacientes que mudaram a forma de pensar alteraram radicalmente o quadro de saúde. Divaldo afirmou que muitos indivíduos gostam muito de sofrer, buscam posicionar a mente, os pensamentos no que de pior lhes aconteceu, fixando-se nos fatores negativos, e prosseguiu: eu não tenho tempo para adoecer, possuo muitos compromissos de amor, tantos, que não me sobra tempo para a doença. Quando a criatura se ama, ela se desculpa. Todos erram, porém, o ideal é não permanecer no erro, é ir adiante, melhorando-se. Na hora em que o pensamento equilibrado proporcionar saúde emocional, o mundo ficará melhor.

Diante dos olhares atentos, deixou sua mensagem àqueles corações sedentos de conhecimento dizendo: Haja o que houver, creiamos em Deus, chamemos por Ele, sejamos alegres, creiamos no poder da prece, oremos. Se alguém lhe fez o mal, desculpe-o e seja você aquele que faz o bem, e veremos logo ali, um mundo melhor. Vamos tentar o amor, sejamos nós aqueles que amamos e haverá uma alegria imensa em nossas almas.

Muito aplaudido, Divaldo ainda atendeu algumas pessoas com autógrafos e uma palavra amiga. A alegria estampada na face daquelas pessoas que se depararam com tão elevada mensagem dava a impressão de que não havia diferença no idioma, e realmente, mergulhados naquele clima psíquico o que preponderou foi o idioma do amor.

Fotos e texto: Ênio Medeiros

quinta-feira, 22 de maio de 2014

PRAGA / REPÚBLICA TCHECA - DIVALDO FRANCO - 21 DE MAIO 2014

Divaldo Franco - Praga/República Tcheca - 21 de maio
Roteiro de palestras Europa 2014 




Chegando à belíssima Praga/República Tcheca na tarde de 21 de maio de 2014, quarta-feira, após um voo procedente de Amsterdã/Holanda, o Arauto do Evangelho, Divaldo Pereira Franco, recebido pelos amigos que o aguardavam no aeroporto, foi de imediato ao hotel preparar-se para a palestra que proferiu ao entardecer desse mesmo dia. O tema abordado foi: Transtornos Psiquiátricos e Obsessivos, contando com o auxílio do estimado amigo Josef Jackulak, vindo de Viena, na Áustria, para a tarefa de verter ao Idioma Tcheco a conferência. Estavam presentes amigos de Dublin/Irlanda, de Réus e Lérida, na Espanha, e também de Viena.



Divaldo explanou com profundidade e com riqueza de dados, a história da psiquiatria no mundo, suas descobertas e resultados, seus ícones, culminando com a Doutrina Espirita, afirmando que nem toda loucura é apenas loucura. Referiu-se a mediunidade, explicando o que é, como se desenvolve, suas consequências, discorrendo, também, sobre as influencias espirituais. Muitos que são diagnosticados como loucos, disse Divaldo, nada mais são do que obsessos.




No estudo das psicopatologias, asseverou que a esquizofrenia, o autismo, a depressão, possuem, em alguns casos, origem em existências anteriores. Outros indivíduos são portadores de perturbações emocionais. Todos os seres humanos entram em contato com o mundo espiritual, porém, necessita de uma ética, pois os Espíritos são atraídos pelos pensamentos. Assim, o indivíduo atraí os Espíritos que o levará às doenças graves, ou à saúde e ao bem-estar, de acordo com a índole do Espírito atraído.




Ao finalizar, citou Stanislav Grof, que em 1955, na Universidade de Praga, constatou em seus estudos, a reencarnação e a influência dos Espíritos na vida das pessoas, escrevendo o livro Além do Cérebro. Em 2013, na Califórnia/EUA, Divaldo teve a oportunidade de conhecer e conversar com o ilustre médico sobre a temática das psicopatologias e do Espírito imortal.

Encerrando, o Semeador de Estrelas asseverou: Há setenta anos eu tentei o amor e vos asseguro, é este o grande caminho para a plenitude. Temos educado milhares de crianças e jovens em situação de risco, tudo de forma gratuita, em nome do amor. Temos problemas, é natural, mas temos também soluções, porque são desafios. Se aplicarmos mais o verbo AMAR a vida será melhor.




Tocados no íntimo, alguns ouviram falar destes conceitos pela primeira vez, todos, porém, compreenderam as lições vividas e repassadas, pois o semeador fala ao coração, utilizando-se da linguagem universal do amor.

Fotos e texto: Ênio Medeiros

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Divaldo Franco em Amsterdã/Holanda - 20 de maio

Divaldo Franco - Amsterdã / Holanda - 20 de maio
Roteiro de palestras Europa 2014 




Após ter deixado a bela Copenhague para trás, no amanhecer do dia 20 de maio de 2014, terça-feira, o Peregrino de Jesus, Divaldo Pereira Franco, chegou à tarde na Holanda, precisamente em Amsterdã, onde pela décima terceira vez proferiu conferência, à convite do Nederlandse Raad voor het Spiritisme – NRSP -, abordando o tema Wat is de Bedoeling van Reïncarnatie?, (Qual a finalidade da reencarnação?), contando com a valiosa colaboração da amiga Joyce de Leeuw, na tradução para o Idioma Holandês. 




Inicialmente Divaldo demonstrou a existência da reencarnação, apesar de os cristãos em geral afirmarem que a reencarnação não se encontra no evangelho de Jesus. Citando o capítulo terceiro do Evangelho de João, no inesquecível diálogo entre Jesus e Nicodemos acerca da necessidade de nascer de novo para entrar no reino dos céus, evidenciou assim, através desta e de outras narrativas, que a reencarnação está presente em todas as religiões, embora muitas não interpretem desta forma.




Nascer de novo, disse o ilustre orador, significa tomar um novo corpo, a reencarnação é doutrina do Cristianismo, os pais da Igreja Católica eram todos reencarnacionistas. Pessoas existem que dizem crer na reencarnação, mas quando vivem problemas graves, logo desesperam-se, questionam Deus, e agem como se não acreditassem na reencarnação. Por que tantos desequilíbrios, tantas situações aparentemente injustas, que a lógica e a razão se negam a aceitar? Indagam-se.



A reencarnação evidencia que os indivíduos são os autores do próprio destino. Deus criou o homem em uma condição de simplicidade e de ignorância. Simples por não ser dotado de complexidade, e ignorante por não possuir conhecimento. A missão dos homens é transformarem-se em seres iluminados. O reino dos céus é hoje, é amanhã, e é sempre, pois que deve estar no coração das criaturas humanas. Desta forma, para viver no reino dos céus, anelando pela paz, é estar consciente, desperto, para não carregar sentimento de culpa.

A reencarnação propicia mecanismos para o indivíduo libertar-se das imperfeições morais. Enseja, também, a oportunidade de reparar o mal que foi feito, recuperando-se, através do mecanismo de experimentar o efeito do mal que fez, - Lei de Causa e Efeito -, reabilitando-se perante às Divinas Leis.




A reencarnação visa à evolução. Se Deus mandasse um dos seus filhos equivocados para o inferno, não seria Deus, seria um algoz. Como compreender um Deus limitado, punitivo, se até mesmo o homem, com suas imperfeições, concede novas oportunidades àqueles que erram? A Doutrina Espírita é uma ciência de laboratório, se utiliza da mediunidade para provar a reencarnação. O Espiritismo é uma filosofia que explica, através da reencarnação, de uma forma muito clara, por que os indivíduos sofrem.

Finalizando a elucidativa conferência, contou a experiência da desencarnação de uma de suas irmãs através do suicídio e a consequente reencarnação há alguns anos, quando recebeu novamente nos seus braços, a irmã que suicidara-se, trazendo as marcas do equívoco que lesou o perispírito, permitindo a reabilitação, através do sofrimento atroz de uma curta existência, emocionando aos atentos ouvintes, tocados no íntimo, envolvidos num clima de ternura, contentamento e paz.





Por mensagem derradeira, de estímulo ao amor, disse: seja você aquele que ama. Se alguém não gosta de você, o problema é dele. Se alguém o odeia e persegue, pior para ele, não se preocupe com os maus, faça o bem. Ao chegar em casa diga ao seu marido, à sua esposa, aos seus filhos, eu amo você. No solo fértil dos corações holandeses e não holandeses, Divaldo lançou as sementes do amor, após um exaustivo dia.

Fotos e texto: Ênio Medeiros

terça-feira, 20 de maio de 2014

Divaldo Franco - Copenhague/Dinamarca - 19 de maio 2014

Divaldo Franco - Copenhague/Dinamarca - 19 de maio
Roteiro de palestras Europa 2014 




Em prosseguimento as atividades de divulgação do Evangelho de Jesus em solo Dinamarquês, o Arauto do Evangelho, Divaldo Pereira Franco, ainda em Copenhague, apresentouuma conferência na tarde de 19 de maio de 2014, segunda-feira, a convite do GEEAK- Grupo de Estudos Espíritas Allan Kardec/Copenhague. Com a preciosa colaboração da brasileira Sônia Regina de Araújo, vertendo a conferência para o Idioma Dinamarquês, Divaldo discorreu sobre o tema Tilgivelsens Psykologi (Psicologia do Perdão).

Com a presença maciça de dinamarqueses, teve lugar neste encontro, um momento certamente histórico: o relançamento, pelo grupo espírita local - o GEEAK -, de O Livro do Espíritos em Dinamarquês. Esta obra monumental já havia sido lançada na Dinamarca no ano de 1893, em Dinamarquês Gótico, não mais utilizado na atualidade. 




Divaldo iniciou enfocando a importância do perdão na vida dos indivíduos, destacando que perdoar contribui para a saúde física, psíquica e emocional da criatura humana. Ressaltou a importância da qualidade do pensar, pois cada ser humano é, em síntese, o resultado de seu pensar. Frisou que quando se perdoa a alguém, essa pessoa se liberta do inimigo, porém, quando guarda mágoas e ressentimentos é o inimigo quem a controla.

Certamente inspirado pelos benfeitores espirituais desta localidade, e do país, apresentou a beleza invulgar da Doutrina Espírita, uma doutrina lúcida, lógica, que esclarece e consola, discorrendo sobre várias facetas, a todos permitindo maior compreensão de tão importante temática.




Narrou experiências pessoais vividas com jovialidade e alegria, dando sempre que possível um toque de bom-humor, descontraindo a atenta plateia que interagia sem dificuldades. Destacou que a humanidade já tentou a guerra, tentou o preconceito, aplicou a vingança e as perseguições, porém, não logrou nem harmonia e nem felicidade. Não estaria na hora de tentarmos o amor? indagou o nobre conferencista, esclarecendo que ninguém nasce amando ou odiando, mas que aprende a amar ou odiar, de acordo com a educação recebida na escola, no lar...




Finalizando a conferencia deixou com todos uma mensagem ao falar sobre o inverno, que na Dinamarca, é longo, é frio, é cinza. Porém, quando chega a primavera, quando a natureza explode em cores, quando as flores dão gargalhadas emoldurando o divino quadro, a lembrança do inverno se dissipa. Faça de seu mundo interior, de sua mente, dos pensamentos, uma primavera constante e viva o astro rei, a irradiar luz dentro de si, criando um mundo novo repleto de amor, pois o mundo muda, quando você muda, aconselhou o cultivador de corações e mentes.




Certamente a mensagem ainda ecoa na intimidade dos presentes como sementes espalhadas a mancheias em solo fértil, pois era visível nas faces a alegria, o entusiasmo que a mensagem de amor à todos proporcionou, graças a eloquência, dinamismo e lucidez do Semeador de Estrelas, que saiu para semear...

Fotos e texto: Ênio Medeiros